As práticas de comunicação corporativa mudaram depois das redes sociais, que adicionaram novas possibilidades de contato entre assessores e jornalistas e facilitaram o acesso a informações das empresas. Mas as mudanças não foram necessariamente para melhor.

É o que mostra a edição de 2021 da pesquisa anual State of Journalism, realizada pela plataforma global Muck Rack, dedicada a conectar profissionais da mídia e da comunicação corporativa e das agências que fazem assessoria de imprensa. 

Foram ouvidos 2.482 mil jornalistas entre 11 de janeiro e 8 de fevereiro em vários países, com amosta composta por empregados full-time na profissão (63%), freelances (20%), jornalistas part-time, que complementam a renda com outro emprego (15%) e aposentados ou desempregados (2%). A maioria está baseada nos Estados Unidos (68%).

Seis em cada dez deles acham que está ultrapassada a forma como as empresas compartilham informações com a imprensa. O valor da comunicação corporativa é reconhecido por quase 60% dos entrevistados, mas eles não consideram a relação exatamente “uma parceria”.

As coisas pioraram depois da pandemia, que dificultou as comunicações e reduziu o espaço para pautas corporativas em um noticiário dominado pela crise da Covid-19. Em outro capítulo da pesquisa, a Muck Rack faz um diagnóstico sobre como o coronavírus afetou o trabalho dos profissionais de imprensa. E revela que o Twitter é a rede social preferida das redações

Mas isso não significa que a rede social seja a forma preferida de receber sugestões de pauta ou follow-up. O bom e velho e-mail continua favorito. A Muck Rack faz uma análise do relacionamento entre jornalistas e comunicação corporativa, examinando em detalhes a percepção em relação à forma como as empresas e agências sugerem pautas, abordam profissionais de redação e utilizam as mídias sociais das empreas como fonte de informação.  

Parceria ou mal necessário?

Nem uma coisa, nem outra. Seis em cada dez dos entrevistados consideram que o relacionamento com os profissionais de comunicação corporativa traz benefícios mútuos, sem chegar a ser uma parceria. 

Mas um terço deles identifica um antagonismo, que vai do mal necessário a “uma coisa não necessariamente ruim”. E para 17% é um mal necessário. 

Sugestões de pautas bem-vindas

Só dois em cada dez dos entrevistados disseram que não aproveitam nada das sugestões de pauta recebidas da comunicação corporativa. A grande maioria aproveita parcialmente as sugestões recebidas, mas só dois em cada dez aproveitam mais da metade do conteúdo recebido.

Pandemia não diminuiu interesse por sugestões

Também só dois em cada dez dos entrevistados disseram estar menos propensos a aproveitar as pautas sugeridas do que há um ano atrás. Em compensação, o mesmo percentual revelou ter mais propensão a aceitar.

Coerência com mídias sociais

Ao decidir cobrir uma pauta, seis em cada dez jornalistas sempre ou usualmente consultam as mídias sociais da empresa.

Exclusividade aumenta chances

Essa é óbvia: oito em cada dez jornalistas se disseram mais propensos a cobrir uma pauta exclusiva. 

E-mail, o canal preferido

Como nos anos anteriores, o e-mail continua sendo, disparado, a forma preferida pelos jornalistas de receber sugestões de pauta. E o telefone é, de longe, a pior delas. Entre as redes sociais, o Twitter é a mais indicada para o recebimento de pautas.

 

Timing tornou-se mais importante depois da pandemia

A pandemia fez com que o timing errado se tornasse o principal motivo para um jornalista rejeitar de pronto uma sugestão apresentada. Foi a primeira vez em que a falta de personalização da sugestão não foi a maior motivação. Textos muito longos e a falta de clareza para identificar o assunto também tiveram menções significativas na pesquisa da Muck Rack.

Menos é mais 

Sete em cada dez jornalistas recomendam que a sugestão de pauta não tenha mais do que 200 palavras. Se isso não for possível, nem pense em superar as 300 palavras. Esse é o limite estabelecido por nove entre cada dez dos pesquisados. A quarta parte da amostra acha que quanto menor, melhor: recomendam textos de até 100 palavras.

Segunda é o melhor dia

Oito em cada dez jornalistas preferem receber as sugestões de pauta da comunicação corporativa no início da semana, com maior predileção pelas segundas-feiras.

Manhã é o melhor período

Sete em cada dez jornalistas preferem receber as sugestões de pauta pela manhã.

E-mail de follow up é aceitável

A maioria dos jornalistas considera aceitável o recebimento de um e-mail de follow up, no máximo dois. Mas cuidado: um em cada dez jornalistas não tolera receber qualquer mensagem desse tipo da comunicação corporativa. 

Follow up até uma semana depois

Nove em cada dez jornalistas considera aceitável receber um e-mail de follow up até sete dias depois do envio da pauta.

Relevância é fundamental

Mais do que todos os cuidados acima, a relevância da sugestão é primordial. A maioria recebe de 1 a 5 sugestões de pauta por dia. Mas três em cada dez jornalistas recebem mais de 10 por dia – ou mais de 50 por semana. Não é necessário ser matemático para concluir que nem todas podem ser tão relevantes.

A rede social preferida
Photo by Alexander Shatov on Unsplash

O Twitter foi apontado como a rede preferida de quem trabalha na imprensa. 

Veja como os jornalistas têm utilizado o Twitter, as outras redes sociais e também as percepções sobre o jornalismo pós-pandemia

 
Leia também

Brasileiro vence World Press Photo Award 2021 em Meio Ambiente

Boicote às redes: o “basta” do futebol britânico contra o racismo online