Em sua primeira entrevista à imprensa desde que assumiu o cargo, Ken McCallum, o chefe do MI5, uma das agências de inteligência britânicas, acusou o Facebook de dar um ‘passe livre’ para terroristas e abusadores de crianças com seu plano de implantar a criptografia de ponta a ponta no Instagram e no Messenger. 

McCallum alertou que uma decisão como essa é capaz de impactar a segurança das pessoas ao redor do mundo. Por isso, disse que o que se discute nas salas de diretoria das gigantes do Vale do Silício na Califórnia passou a ter efeito direto no trabalho do serviço secreto tanto quanto as decisões tomadas por grupos radicais no Afeganistão ou na Síria. O chefe do MI5 deu as declarações em uma entrevista nesta quinta-feira (20/5) à Times Radio. 

Ele advertiu que os planos do presidente executivo do Facebook Mark Zuckerberg permitiriam aos terroristas planejar ataques pelo Messenger e pelo Instagram sem serem visíveis aos serviços de segurança:

“Se você tem criptografia de ponta a ponta sem absolutamente nenhum meio de decodificar essa criptografia, você está, na verdade, dando a terroristas e abusadores um passe livre com o qual eles sabem que ninguém poderá ver o que estão fazendo.”

+ Leia mais: Criptografia de ponta a ponta do Facebook na mira do Governo britânico

Comparação com o mundo off-line

McCallum fez uma comparação com o que acontece fora da internet. Ele disse que se o serviço secreto descobre que há alguém construindo uma bomba ou filmando um vídeo de tortura em sua casa, as autoridades podem solicitar um mandado judicial para entrar na casa e averiguar o que está acontecendo.

Ele disse que é fundamental que o mesmo aconteça no mundo online:

“Se nós podemos com um mandado entrar naquela casa e verificar se uma bomba está de fato sendo construída, precisamos ter essa capacidade no mundo online também.”

Privacidade ou segurança?

O chefe nacional de contraterrorismo do Reino Unido, Neil Basu, que acompanhava McCallum na entrevista, enfatizou:

“Pessoas podem morrer e criminosos podem abusar de crianças sem sofrer as consequências se o Facebook continuar com seu plano de colocar a privacidade antes da segurança.”

+ Leia mais: MI5 abre conta no Instagram para acabar com estereótipo de “espião bebendo martini”

Estado de vigilância

McCallum garantiu que não pretende construir um “estado de vigilância” com”‘uma câmera na sala de todos”. Ele explicou que só deseja que o Facebook mantenha o conteúdo visível para ser repassado, se necessário:

“É essencial que, nas raras ocasiões onde exista uma preocupação muito embasada e onde um juiz decida que o acesso a essas informações seja necessário e proporcional, possamos ter uma parceria com as empresas para acessar o conteúdo dessas comunicações trocadas por suspeitos perigosos.”

O que diz o Facebook

Após a entrevista do chefe da agência do serviço secreto, o Facebook posicionou-se da seguinte maneira:

“A criptografia forte é essencial para manter todos protegidos contra hackers e criminosos e já é a tecnologia de segurança líder usada por muitos serviços.

Não toleramos terrorismo ou exploração infantil em nossas plataformas e estamos criando fortes medidas de segurança, incluindo o uso de informações como padrões de comportamento, para combater tais abusos.

Continuaremos a trabalhar com especialistas do setor, agências de segurança pública e de segurança para combater a atividade criminosa e manter as pessoas seguras em todas as nossas plataformas.”

Leia também:

ONG denuncia que criptografia no Instagram e Facebook Messenger vai facilitar abuso infantil online

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.