A decisão de batizar a filha em homenagem à bisavó, com o apelido Lilibet que a rainha Elizabeth tinha quando criança, parecia à primeira vista um ótimo movimento de reaproximação do casal Harry e Meghan com a família real, depois que as relações ficaram esgarçadas devido à entrevista para a apresentadora americana Oprah Winfrey, em março. 

Mas depois que a BBC divulgou que a Rainha não fora consultada e nem autorizara a homenagem, o tiro saiu pela culatra. E deu origem a uma nova guerra do duque e da duquesa de Sussex com a imprensa britânica, que não envolve os famosos tabloides sensacionalistas do país, e sim a maior rede de TV pública. 

No Reino Unido, a monarquia desperta tanto interesse que cada veículo tem um correspondente para tratar exclusivamente desses assuntos, e foi justamente o da BBC o que despertou a nova rodada de fúria dos Sussex.

Nesta quarta-feira (9/6), os advogados do casal divulgaram uma nota afirmando que as informações divulgadas pelo correspondente real da BBC sobre a escolha do nome eram “falsas e contraditórias”.  O alvo é o jornalista Jonny Dymond, que disse no programa Today da BBC Radio 4 que “uma boa fonte do palácio” foi “absolutamente categórica” ao afirmar que a rainha não fora consultada.

Leia também: A cada 25 anos, uma entrevista para abalar a Coroa britânica

Homenagem à bisavó e à avó

O apelido Lilibet surgiu na década de 20, quando a então princesa Elizabeth tinha dificuldade de pronunciar seu nome corretamente. Ele chegou a ser usado publicamente pelo então Rei Jorge VI, que se referiu à filha na época dizendo: “Lilibet é meu orgulho”. 

O apelido só era usado por pessoas que já morreram: o príncipe Philip, o rei George, a rainha-mãe e a irmã de Elizabeth, a princesa Margaret. 

Lilibet é a segunda filha do casal, que batizou o primeiro com o nome de Archie. Ela nasceu na sexta-feira (6), mas o nome só foi divulgado no domingo, revelando uma homenagem dupla.

Além da homenagem à bisavó, o nome do meio de Lilibet Diana Mountbatten-Windsor honra a memória da avó Diana, Princesa de Gales. Ela passa a ser a oitava na linha de sucessão ao trono, logo após o pai e o irmão.

Porta-voz dos Sussex insiste que Rainha foi consultada

Ao jornal The Guardian, um porta-voz dos Sussex insistiu que a rainha foi avisada com antecedência sobre o nome e que o casal não o teria usado se a monarca não aprovasse. O porta-voz disse: 

“O duque falou com sua família antes do anúncio. Na verdade, sua avó foi o primeiro membro da família para quem ligou.”

Acusações no programa de Oprah

A ruptura dos Sussex com a família real ficou explícita em março, com a entrevista a Oprah Winfrey na TV norte-americana. Na ocasião, Meghan levantou suspeitas de racismo contra a Família Real, afirmando que um membro, não identificado, teria levantado preocupações quanto à cor da pele de seu então futuro primeiro filho.

Leia também: Harry e Meghan provocam debate: tem racismo na imprensa britânica?

A Rainha respondeu na ocasião que as questões seriam investigadas “muito a sério”, mas ressaltou que “algumas lembranças podiam variar” em relação aos fatos.

Leia também: Manchetes adulteradas na entrevista dos Sussex a Oprah

Indenização ganha contra Mail on Sunday

Esta batalha envolvendo a BBC não é a primeira dos Sussex contra a imprensa britânica. Em fevereiro, foi anunciada a vitória de Meghan contra o tabloide Mail on Sunday por quebra de privacidade.

Leia também: As implicações para a liberdade de imprensa da vitória de Meghan sobre o Daily Mail

O jornal foi condenado ao pagamento de uma indenização inicial de £ 450 mil (cerca de R$ 3,6 milhões), mas o montante final ainda pode ser aumentado depois que outras questões forem decididas pelo Juiz do caso.

Leia também

A “morte” da Rainha Elizabeth nas redes sociais: vingança da China ou desafio à censura sobre Praça da Paz?

Nos disparos de Meghan e Harry contra a Coroa, imprensa também saiu ferida