O combativo jornal Apple Daily, de Hong Kong, que vinha resistindo à censura e às pressões da administração do território governado pela China, anunciou em um comunicado na manhã desta quarta-feira que vai fechar definitivamente.

Há menos de uma semana a redação tinha sido invadida pela polícia, que prendeu cinco jornalistas, incluindo o editor-chefe, vasculhou computadores e apreendeu anotações e arquivos de repórteres. Os ativos do jornal (HK$ 18 milhões, equivalente a US$ 2,32 milhões) foram congelados como forma de sufocar a operação. 

A Next Digital, controladora do Apple Daily, informou que a edição final será impressa no sábado, e que o site sairá do ar no mesmo dia. Nos últimos dias tinha havido uma corrida da população para comprar exemplares do jornal, que chegou a aumentar a tiragem apesar do bloqueio de recursos, papel e tinta.

O comunicado agradece a lealdade dos leitores e o compromisso dos jornalistas, funcionários e anunciantes ao longo dos 26 anos de existência do jornal, mas não deu outros detalhes sobre o motivo da decisão, que já era esperada. Mas um conselheiro do jornal disse à rede BBC que uma reunião de conselho nesta quarta-feira teria sido invadida e um colunista teria sido preso, o que pode ter precipitado a decisão de encerrar de vez a operação. 

A Next Digital é é de propriedade de Jimmy Lai, principal empresário de mídia de Hong Kong, de 73 anos, com patrimônio estimado em US$ 1 bilhão, que está cumprindo uma sentença de 14 meses de prisão desde 16 de abril por “assembleias não autorizadas” durante os protestos pró-democracia de 2019.

Ele e outros ativistas foram processados por uma nova lei de segurança nacional imposta pelo governo em 2020 como forma de estancar o movimento em favor da democracia na cidade. 

Em 14 de maio, o gabinete de segurança da cidade já tinham congelado as ações de Jimmy Lai no grupo, bem como ativos nas contas bancárias locais de três empresas pertencentes a ele. O magnata da mídia detém 71,26 por cento das ações da Next Digital, avaliadas em mais de US$ 44 milhões.

A medida tinha o objetivo de evitar que “bens relacionados ao crime” fossem removidos de Hong Kong, disse o departamento de segurança em um comunicado. O congelamento pode ter dificultado o envio de recursos para o jornal do grupo em Taiwan, levando à decisão de suspender o impresso, com a demissão de mais de 300 profissionais. O diretor de redação, Chang Ye-Shing, renunciou ao cargo. 

Em uma coletiva de imprensa na manhã de quinta-feira da semana passada, logo após a operação policial na redação do jornal, Steve Li, superintendente sênior da unidade de segurança nacional de Hong Kong, explicou o motivo pelo qual as autoridades avançaram no congelamento dos bens das próprias empresas e não apenas de seu acionista principal.

Li acusou o jornal de publicar mais de 30 artigos, tanto online quanto impressos e em chinês e inglês, que buscavam sanções estrangeiras. “Os artigos questionáveis ​​desempenham um papel crucial na conspiração”, disse Li. 

John Lee, Secretário de Segurança, acusou o Apple Daily de usar “o jornalismo como uma ferramenta para colocar em risco a segurança nacional” e um “guarda-chuva” para se proteger. Ele disse que a polícia está investigando ativamente se pessoas dentro ou fora do Apple Daily participaram ou instigaram atos que colocam em risco a lei de segurança nacional. 

Lee evitou perguntas repetidas sobre se os artigos são reportagens ou artigos de opinião. Ele ressaltou que a operação não tem como alvo a imprensa em geral e pediu aos” jornalistas normais” que “mantenham distância dos criminosos”.

O jornal transmitiu ao vivo a operação policial em suas mídias sociais.

Segundo divulgou o Apple Daily no Twitter, o CEO Cheung Kim-hung, o COO Royston Chow, o editor-chefe Ryan Law, o editor associado Chan Pui-man e o diretor da plataforma do Apple Daily Digital, Cheung Chi-wai, foram levados por policiais, sob acusação de violar o Artigo 29 da lei de segurança nacional imposta por Pequim, que proíbe “conluio com um país estrangeiro ou com elementos externos para pôr em perigo a segurança nacional”.

Repressão ao grupo de comunicação está ligada a protestos

A repressão que sufocou o Apple Daily é consequência da reação da China aos protestos pró-democracia que começaram em  2019, estimulados pelo aperto cada vez maior de Pequim sobre as amplas liberdades prometidas a Hong Kong após seu retorno ao domínio chinês em 1997. 

A cidade portuária foi colônia britânica por 150 anos e virou um importante centro financeiro e de negócios. Um acordo entre a China e o Reino Unido devolveu Hong Kong ao controle chinês, prevendo uma administração sob o modelo “um país, dois sistemas”, em que o regime comunista não seria estendido ao território. 

Mas, gradativamente, a China passou a adotar iniciativas para limitar críticas, gerando uma onda de protestos que explodiu em 2019, com a população tomando as ruas da cidade. A repressão foi severa, e em 2020 entrou em vigor a nova Lei de Segurança Nacional, com penas severas até de prisão perpétua para crimes como secessão, subversão, terrorismo ou conluio com forças estrangeiras. 

O motivo alegado para a invasão desta quinta-feira foi a cobertura do Apple Daily sobre as relações entre a China e Hong Kong e o pedido de sanções ocidentais. Em uma entrevista coletiva, Li Kwai-wah, chefe da força policial, declarou ter “fortes evidências de que os artigos questionáveis ​​desempenham um papel crucial na conspiração, que fornece munição para países estrangeiros”. 

Next Digital vem sendo alvo do governo chinês

O grupo Next Digital, que além do Apple Daily de Hong Kong tem outro jornal de mesmo nome em Taiwan e diversos negócios em mídia, virou um dos principais alvos da repressão chinesa sobre os que querem a manutenção da democracia em Hong Kong.

Leia também: China recruta seus universitários em universidades britânicas para se tornarem influenciadores digitais a favor do país

Jimmy Lai criou a empresa em 1995, quando lançou o Apple Daily Hong Kong, em chinês e inglês, tornando-se uma das principais vozes a favor da democracia local. A condenação do empresário, junto com ativistas contrários ao governo de Hong Kong controlado pela China, gerou críticas de governos ocidentais e de grupos de direitos humanos. 

A condenação injusta desses ativistas sublinha a intenção do governo de eliminar toda a oposição política”, disse a diretora da Anistia Internacional para a Ásia, Yamini Mishra.

A organização Repórteres sem Fronteiras também protestou, pedindo libertação imediata de Lai e o fim do assédio judicial contra ele. O empresário foi premiado com o 2020 RSF Press Freedom Awards (Prêmio de Liberdade de Imprensa). 

Um ano e dois meses de prisão por participar de dois protestos pacíficos é uma punição totalmente desproporcional que revela como o governo está desesperado para silenciar Jimmy Lai, um símbolo da liberdade de imprensa em Hong Kong ”, disse Cédric Alviani, chefe da RSF no Leste Asiático

Segundo a organização, a condenação é parte de uma campanha de assédio judicial de longa duração contra Lai, que está detido desde dezembro de 2020. O empresário enfrenta seis outros processos por fraude, conspiração para perverter o curso da Justiça e por conspirar com forças estrangeiras, correndo o risco de prisão perpétua à luz da nova Lei de Segurança Nacional.

Lai tinha trânsito livre em Washington, tendo se encontrado com autoridades como o ex-secretário de Estado Mike Pompeo, para angariar apoio ao movimento pela democracia de Hong Kong, levando Pequim a rotulá-lo de “traidor”.

Em 12 de abril, em uma carta escrita em sua cela de prisão,  ele pediu os funcionários do Apple Daily para “se manterem firmes”: “É nossa responsabilidade como jornalistas buscar a justiça. Contanto que não estejamos cegos por tentações injustas, contanto que não permitamos que o mal passe por nós, estaremos cumprindo nossa responsabilidade. ”

Hong Kong, que segundo a RSF  já foi um bastião da liberdade de imprensa, caiu do 18º lugar em 2002 para o 80º lugar no Índice Mundial de Liberdade de Imprensa da organização. A República Popular da China, por sua vez, estagnou em 177º de 180º.

Leia também

Nicarágua nega entrada de jornalista do New York Times; jornal critica “esforço para silenciar”

Direitos autorais reservados. Reprodução no todo ou em parte autorizada desde que citados a fonte e o autor, com link para o artigo original.