Duas repórteres morreram e 21 jornalistas ficaram feridos quando o ônibus que os transportava capotou perto da cidade de Naqadeh, no noroeste do Irã, na última quarta-feira (23).

O acidente aconteceu quando o grupo viajava do lago Urmia para Teerã, capital do país, durante a volta de uma press trip organizada pelo governo para a imprensa ambiental, sobre a revitalização do lago, o maior pântano do Irã e um dos maiores lagos de água salgada do mundo.

Morreram no acidente a correspondente da Agência de Notícias da República Islâmica (IRNA), Reyhaneh Yassini, e Mahshad Karimi, repórter da Agência de Notícias dos Estudantes do Irã (ISNA).

Leia também: Brasil está entre os sete países onde o povo mais confia na imprensa

Os 21 jornalistas feridos no acidente, sendo que quatro estão em estado grave, foram levados para o hospital da cidade de Urmia. A Federação Internacional de Jornalistas (IFJ) e à Associação de Jornalistas Iranianos (IJA) pediram uma investigação rápida sobre o acidente.

Segundo relatos da mídia, o comandante da polícia de trânsito do país anunciou após o acidente que o ônibus estava com defeito e pertencia a uma fábrica de cimento. Alguns dos jornalistas resgatados reclamaram à IJA que as condições do veículos eram inadequadas para a viagem.

“Duas jornalistas infelizmente pagaram o preço mais alto por fazerem seu trabalho e estamos extremamente chocados com essas perdas. Desejamos aos jornalistas feridos uma rápida recuperação e enviamos nossas mais profundas condolências à família e aos colegas de Reyhaneh Yassini e Mahshad Karimi. Solicitamos às autoridades iranianas que conduzam uma investigação completa sobre o acidente com o ônibus”, afirmou o secretário geral da IFJ

Leia mais

Tiros e bomba: repórter de um dos maiores jornais de Israel é alvo de dois atentados em duas semanas

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.