Londres – Matt Hancock, Secretário Nacional de Saúde britânico, renunciou ao cargo da na tarde deste sábado (26/6), depois de receber pressões de todos os lados devido à publicação de fotos beijando a assessora de comunicação.

As fotos, publicadas pelo tabloide The Sun na sexta-feira (25/6), mostram o secretário que conduziu toda a resposta do Reino Unido à pandemia em seu gabinete com Gina Coladangelo, que cuidava do relacionamento com a imprensa para o secretário. 

O substituto foi anunciado imediatamente após a renúncia: Sajid David, que já foi secretário do gabinete de Johnson. 

Tanto o político que deixou o cargo quanto a assessora são casados, mas a revolta principal foi com a quebra do protocolo de distanciamento social, já que eles não pertencem à mesma família. Quando a foto foi tirada (por câmeras de segurança no gabinete), em maio, o país estava sob uma severa regra de isolamento, que impedia encontros de pessoas que não morassem na mesma casa e obrigava a manter distância de 1 metro. 

Leia também: Infidelidade? Favorecimento? Mau exemplo? Uma análise da crise de imagem que abateu o homem forte do Reino Unido na liderança do combate à pandemia e os desdobramentos políticos do caso

O caso despertou uma onda de protestos de políticos de outros partidos e do próprio partido conservador e tomou conta das redes sociais, com críticas sobre privilégios de membros do governo em relação ao cumprimento das regras. 

Também houve forte questionamento sobre a forma de contratação de Coladangelo, amiga de faculdade de Hancock, com sugestões de que teria sido beneficiada para conseguir a vaga. Ela foi inicialmente contratada como conselheira não remunerada por um contrato de seis meses em março do ano passado, antes de ser nomeada diretora não executiva do departamento com remuneração paga pelo governo. 

O assunto foi capa de todos os jornais e tema de debates e entrevistas ao longo de todo o sábado na TV. 

 Na sexta feira, Hancock disse que “lamentava muito” por decepcionar as pessoas depois que o The Sun publicou as imagens. Oprimeiro-ministro Boris Johnson havia se manifestado dando apoio ao secretário e considerando o “caso encerrado”.

No entanto, as pressões continuaram e surgiu outra informação para complicar ainda mais a situação: a de que o irmão da assessora teria recebido um contrato de fornecimento de insumos para o combate à Covid-19. 

Na carta de demissão enviada a Boris Johnson, ele disse:

“Estou escrevendo para renunciar ao cargo de  Secretário de Estado  da Saúde e Assistência Social. Trabalhamos muito como país para combater a pandemia. 

A última coisa que eu gostaria é que minha vida privada desviasse a atenção do foco obstinado que está nos levando para fora desta crise. Quero reiterar minhas desculpas por quebrar a orientação [de isolamento social] e pedir desculpas à minha família e entes queridos por faze-los passar por isso. Eu preciso ficar com meus filhos neste momento.”

Ele também falou no Twitter sobre a decisão.

Martha Hancock, mulher do ex-secretário, não tinha ideia de que seu marido estava tendo um caso e deixou a residência do casal assim que a notícia começou a circular. A assessora, casada com um grande empresário dono da rede de lojas Oliver Bonas, também foi vista deixando a casa onde morava levando malas em seu carro. 

O governo abriu uma investigação para descobrir como as fotos foram vazadas.

Leia também

Infidelidade, favorecimento, mau exemplo? A crise de imagem que abateu o homem forte da Covid no Reino Unido

Meghan perde batalha na guerra contra tabloide que publicou trechos de sua carta ao pai

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.