Durou menos de uma semana a tentativa da agência global de relações públicas Teneo tentar estancar a crise de imagem que se abateu sobre ela depois que o fundador e CEO, Declan Kelly, foi afastado do conselho de um ONG global por ter bebido demais e assediado homens e mulheres durante um evento beneficente. 

Nesta terça-feira (29/6), a agência anunciou a renúncia de Kelly, de 53 anos, substituído pelo cofundador e diretor de operações, Paul Keary. 

A história que levou à queda de um profissional reconhecido e poderoso, que já assessorou grandes líderes empresariais e políticos como Hillary Clinton, aconteceu em maio. Mas só se tornou pública na semana passada, revelada pelo jornal Financial Times.

Leia também: Infidelidade, favorecimento, mau exemplo? A crise de imagem que abateu o homem forte da Covid no Reino Unido

O evento, que teve shows de grandes celebridades locais, era o “Vax Live”, promovido pela organização Global Citizen para arrecadar fundos para a compra de vacinas para os países pobres.

Os padrinhos da ação eram o príncipe Harry e sua esposa, Meghan Markle. A má conduta do consultor ocorreu durante o coquetel promovido após o show. 

Agência passou e perder clientes grandes

Antes mesmo de sair a reportagem, a crise de imagem de Kelly havia feito a Global Citizen remover o executivo de seu conselho e cancelado o contrato com a agência.

No dia 25/6 foi a vez de outro grande cliente, a General Motors, fazer o mesmo. A CEO da companhia, Mary Marra, está entre os executivos assessorados pelo consultor. 

Ao informar a decisão de afastar seu principal executivo, o Conselho de Administração fez um afago a Declan Kelly e não mencionou o motivo pelo qual ele estava deixando a empresa.

“Queremos agradecer a Declan por sua liderança e dedicação nos últimos dez anos na construção da Teneo como a firma de consultoria de CEOs mais proeminente do mundo.

Graças à liderança de Declan e aos esforços de sua excelente equipe, a Teneo hoje atende empresas líderes mundiais, com uma ampla base de consultores experientes em uma série de disciplinas, com 1.250 funcionários e 33 escritórios em todo o mundo. Ele está deixando a empresa em uma posição forte para o sucesso contínuo.”

Kelly publicou mensagem pessoal

Ao lado há um statement do próprio Kelly sobre o ocorrido, admitindo que a empresa está sendo questionada: 

“Em 2 de maio cometi um erro público e embaraçoso e assumo toda a responsabilidade. Pedi desculpas para aqueles diretamente afetados, assim como para os meus colegas e clientes.

Uma campanha contra a reputação de nossa empresa se seguiu e pode até continuar nos próximos dias.

No entanto, independentemente da veracidade de tais questões, não quero que desviem o foco. Para proteger os funcionários da Teneo e seus clientes, e com forte apoio da minha família, decidi deixar a empresa e renunciar ao cargo de Presidente e CEO.

A Teneo continuará sendo a melhor do mundo no que faz, uma empresa cujo sucesso foi impulsionado por três virtudes – trabalho árduo, decência e  compaixão.

Nos últimos dias, recebi inúmeras mensagens de apoio de meus colegas, clientes, figuras públicas e pessoas que me conhecem bem pessoal e profissionalmente. O apoio e a confiança é o que mais conta. Serei eternamente grato a todos eles.”

Teneo terá desafio de manter relacionamentos

O desligamento era quase inevitável. O tempo que levou para acontecer, no entanto, é um sinal de que a decisão não foi fácil.

A agência tem sedes em Nova York e Londres, e faturamento estimado em  US$ 400 milhões. Segundo a revista PR Week, o contrato com a GM valia US$ 250 mil por mês somente em fees.

Leia também: Golaços da Eurocopa contra racismo e homofobia dão exemplo à Copa América

Mais do que um executivo, Declan Kelly era a principal face de uma empresa dedicada a um tipo de assessoria que depende fortemente da figura do consultor — não é uma linha de montagem em que peças podem ser facilmente trocadas. 

Ainda que a agência tenha mais de 1 mil funcionários, nesse tipo de negócio o relacionamento é vital. E Declan Kelly era o principal homem à frente do relacionamento com figuras-chave das corporações e da política. 

O desafio agora será contornar a má impressão causada pelo episódio, que compromete a reputação da companhia. E ao mesmo tempo convencer os clientes de que a expertise do ex-CEO pode ser compensada pela de outros executivos. 

Uma história de sucesso abalada por um coquetel

O deslize no coquetel transformou a vida de um profissional de sucesso.

Graduado pela National University of Ireland, Declan iniciou sua carreira como jornalista antes de passar ao ramo de relações públicas. Em 1994, ganhou o prêmio AT Cross Business como Jornalista do Ano.

Em 2008, tornou-se o mais jovem a receber a prestigiosa medalha de ouro da American Irish Historical Society. Ele é professor visitante honorário na Queen’s University Belfast e em 2011 recebeu um doutorado honorário da universidade. 

Antes da Teneo, Declan serviu como enviado econômico dos Estados Unidos para a Irlanda do Norte, nomeado pela então Secretária de Estado, Hillary Clinton, em setembro de 2009.

A história de vida e a carreira de Declan já inspiraram dois livros: A Few Wise Words e Journeys – An American Story. Não será surpresa se o caso atual render um terceiro.

Leia também 

Editora negra da Teen Vogue renuncia por racismo contra asiáticos

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.