A jornalista Natália Leal foi anunciada como a nova diretora executiva e CEO da agência de checagem de fatos Lupa, da qual era diretora de conteúdo. A nomeação faz parte de uma nova estrutura da empresa, que atua em jornalismo e educação voltados para o combate à desinformação, com foco em fake news nas redes sociais. 

Gilberto Scofield Jr. assume a Diretoria de Marketing e Relacionamento, comandando a estratégia e a execução da comunicação institucional e do marketing dos produtos, serviços e da marca Lupa, além da comunicação interna e do relacionamento com parceiros.  Douglas Silveira passa a liderar a nova Diretoria de Operações. Ele será responsável pela gestão operacional de produtos e projetos da Lupa. 

Leal receberá o Prêmio Knight Internacional de Jornalismo 2021, oferecido pelo ICJ (International Center for Journalists), uma das mais respeitadas organizações do setor.  Ao anunciar a indicação, o ICJ destacou o trabalho dela e da equipe da Agência Lupa para expor a desinformação no Brasil. 

Leia também: Ex-editor do jornal pró-democracia Apple Daily, de Hong Kong, é preso ao tentar embarcar para o Reino Unido

Uma das ferramentas criadas pela agência inspirou o Washington Post a criar um mecanismo semelhante para os Estados Unidos. A “No Epicentro” usa a tecnologia para simular ao usuário como seria seu bairro se todos os brasileiros mortos por coronavírus estivessem concentrados nas proximidades, demonstrando a distância que o usuário teria que viajar de casa para encontrar outra pessoa viva. 

Ao MediaTalks, a nova CEO falou sobre o futuro da agência:

“Queremos seguir fazendo projetos de impacto. Nossos planos incluem uma nova plataforma, expansão internacional e crescimento da empresa no Brasil.”

Primeira agência de checagem de fatos no Brasil

Criada em 2015, Lupa foi a primeira agência de checagens de fatos do Brasil. Iniciou sua trajetória como uma agência de notícias especializada em fact-checking, comercializando o conteúdo para veículos de informação como Folha de S.Paulo, UOL, Yahoo!, Terra, rádio CBN e portal Metrópoles.

A empresa também produz conteúdo de verificação para o Facebook, dentro do projeto de verificação de notícias da plataforma, que teve início no Brasil em 2018. 

Em 2017, a Lupa passou a atuar também na área de educação, promovendo oficinas e treinamentos sobre fact-checking e desinformação. Em quatro anos de trabalho, o LupaEducação capacitou mais de 7 mil pessoas no Brasil, em Portugal, na Espanha e em países da África, em treinamentos online e presenciais.

“As mudanças que ocorrem agora vêm pra consolidar a educação como uma pauta central na Lupa, ao lado do fact-checking“, destaca Leal.

Outra linha de negócio é a de projetos especiais de produção de conteúdo com financiamento de entidades, fundações, institutos e plataformas digitais.  Entre 2015 e 2018, a Lupa contou com um apoio financeiro da Editora Alvinegra, empresa fundada pelo documentarista João Moreira Salles para publicar a revista piauí.

“Aos poucos, com foco numa gestão horizontal de produtos e projetos, veremos a Lupa crescer, agora de forma ordenada e sólida, sustentável financeiramente e mantendo seu lugar de pioneirismo e referência no mercado jornalístico brasileiro”, afirma a nova CEO.

Leia também

Natalia Leal (Agência Lupa): lucro com fake news deve ser punido como crime organizado

 

Infidelidade, favorecimento, mau exemplo? A crise de imagem que abateu o homem forte da Covid no Reino Unido

 

 

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.