Londres – No final de novembro, um anúncio lançado pela empresa de correios norueguesa retratando o Papai Noel gay causou polêmica e reacendeu uma questão: a principal figura do Natal pode ter outras representações?

A campanha publicitária foi feita em homenagem aos 50 anos de descriminalização da homossexualidade no país escandinavo. Mas há quem defenda que o bom velhinho poderia ser uma boa velhinha. Ou vir de outras regiões do mundo e não da Europa. 

O instituto de pesquisas britânico YouGov fez uma pesquisa em dezembro para avaliar o quanto os britânicos seriam favoráveis a um Papai Noel diferente daquele a que estamos acostumados, e descobriu que não vai ser tão fácil mudar as tradições, ao menos para a maioria. 

Papai Noel gay divide a população

O YouGov é o principal termômetro da opinião pública britânica, medindo o humor do povo do país em diversos assuntos, da política aos costumes. 

A pesquisa revelou que  os britânicos estão divididos quanto à ideia de um Papai Noel Gay, com 39% achando possível e  41% considerando não aceitável. 

A opinião muda entre a comunidade LGBTQ:  76% dizem que a representação seria bem-vinda, com apenas 17% contra essa possibilidade. 

O comercial norueguês que ajudou a trazer o tema para o debate reflete a realidade de pessoas que acabam afastadas dos seus amores durante as festas de fim de ano, e tem um final feliz. 

Segundo o YouGov, a idade é o fator principal entre o público em geral, com 60% britânicos mais jovens, com idade entre 18 e 24 anos, apoiando um Papai Noel gay. 

Aqueles com idades entre 25 e 49 anos também são mais favoráveis – 46% aprovam e 33% desaprovam.

Mas as posições se invertem entre pessoas na faixa de 50 a 64 anos de idade: 47% delas consideram tal representação inaceitável, e somente 33% aprovam. 

Quando a idade aumenta, sobe também a desaprovação, com 58% dos entrevistados acima de 65 anos não tolerando a ideia.  

O gênero também faz diferença. Os homens se demonstraram mais resistentes a ver um Papai Noel gay (46% condenam e 36% aprovam). Já entre as mulheres o quadro é o oposto: 42% aceitam a representação contra 36% que não gostam da mudança. 

Papai Noel pode ser Mamãe Noel?

Para a maioria dos britânicos, não: 54% dos entrevistados discordam de uma Mamãe Noel, e apenas 27% aceitam a possibilidade. E curiosamente, a opinião não varia entre as mulheres e homens, com 56% e 53%) respectivamente. 

Mas novamente os jovens são os mais abertos a novas representações da figura natalina. Entre aqueles de 18 a 24 anos, 45% acham a ideia aceitável e 31% não gostam da mudança. 

O Papai Noel pode ser negro, do Oriente Médio ou asiático?

Um estudo do YouGov nos EUA no ano passado examinou as atitudes em relação ao Papai Noel e a Jesus Cristo sendo retratados como várias raças 

Para menos da metade dos americanos, não havia problema em Jesus ser mostrado como hispânico (44%), nativo americano (43%), asiático do sul (40%) ou asiático do leste (38%).

No geral, um em cada três americanos (34%) se opôs a Cristo ser descrito como pelo menos uma das etnias não brancas, embora apenas 3% considerassem inaceitável descrever Jesus como sendo algo diferente de branco.

Leia também 

Papai Noel existe? Igreja tem que se desculpar por bispo italiano que disse a verdade a crianças

Diversidade é a “coisa certa” e caminho para o lucro, aponta estudo sobre mídia, cinema, esporte e games

Já a pesquisa deste ano no Reino Unido revelou que os britânicos aceitam menos um Papai Noel que não seja branco. 

Enquanto oito em cada dez (80%) dizem que é aceitável continuar retratando o Papai Noel como sendo branco (virtualmente idêntico ao número de americanos que o disseram), apenas cerca de metade dos britânicos concordam que ele possa ser mostrado como sendo de qualquer uma das outras etnias.

Por outro lado, nos EUA, dois terços (67%) aceitavam um Papai Noel negro e 58-60% se sentiam confortáveis ​​com o bom velhinho asiático ou do Oriente Médio.

Novamente, a idade faz diferença. Os britânicos mais jovens aceitam melhor a representação não branca, mas também têm menor probabilidade de aceitar um Papai Noel diferente, com 71% em comparação com 79-82% de outras faixas etárias.

As atitudes entre os britânicos de minorias étnicas são basicamente as mesmas para a população em geral. Apenas 11% consideram um Papai Noel Branco inaceitável.

Os resultados entre os britânicos de minorias étnicas que são cristãos são efetivamente os mesmos dos britânicos de minorias étnicas em geral. 

A única diferença é que um Papai Noel negros é ligeiramente mais aceitável entre o primeiro grupo (55%) do que o último (49%), segundo o YouGov.

Papai Noel e James Bond 

Em 2018, quando se especulava sobre a representação de James Bond em seu próximo filme, o instituto YouGov fez uma pesquisa para avaliar a receptividade do público sobre o personagem que é um ícone da cultura britânica. 

Leia também 

IBM vai usar inteligência artificial para medir diversidade na propaganda

A constatação foi de que as atitudes em relação à raça, gênero e sexualidade do Papai Noel são semelhantes às da pesquisa com James Bond, com atitudes geralmente favoráveis ​​à mudança de raça de 007, divisão relativa em suas preferências sexuais (os britânicos tendiam a se opor a um Bond gay em 47% a 40%) e firme oposição a uma mulher no papel. 

Os pesquisadores consideram que a comparação entre as duas pesquisas sugere que a opinião sobre o Papai Noel não é exclusiva do próprio personagem, podendo refletir um conjunto mais amplo de atitudes ao fazer mudanças em figuras da cultura pop firmemente estabelecidas.

Leia também 

De moto, surfando, encantando e relaxando: as imagens divertidas do Papai Noel pelo mundo

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.