Londres – Em sua primeira aparição pública ao vivo após várias semanas reclusa devido a problemas de saúde, a Rainha Elizabeth usou a cerimônia religiosa para marcar o primeiro ano da morte do príncipe Philip para mandar um recado aos que especulavam sobre o destino familiar do príncipe Andrew, escolhendo-o para acompanhá-la no caminho até seu assento na igreja. 

Envolvido em um escândalo de abuso sexual que lhe custou uma indenização que pode ter chegado a R$ 83 milhões para encerrar o processo movido por uma americana que o acusou de manter relações sexuais quando ela era menor de idade, ele tinha sido dado como banido de vez de qualquer atividade pública da família real, mas a monarca de 95 anos sinalizou que o futuro dele pode ser diferente, pelo menos em ocasiões familiares. 

O memorial aconteceu na Abadia de Westminster na terça-feira (29). O príncipe Philip morreu no dia 9 de abril de 2021, aos 99 anos, depois de um casamento de mais de 70 anos com Elizabeth II. 

Dúvidas sobre presença da rainha Elizabeth no memorial a Philip 

Nos últimos dias, o Palácio de Buckingham manteve o suspense sobre se a rainha participaria da cerimônia. Desde outubro do ano passado ela vem cancelando atividades públicas, incluindo a participação na conferência do clima COP26, em Glasgow.

Há um mês ela testou positivo para o coronavírus, depois de seu filho Charles e a mulher dele, Camilla, terem tido covid.

A cerimônia em memória do príncipe Philip reuniu membros da realeza de outros países europeus, como o rei e a rainha da Espanha e os monarcas da Bélgica, que não puderam comparecer ao funeral devido às restrições em vigor no país há um ano para controlar a pandemia. 

Todos os integrantes da família real britânica estavam lá, menos o príncipe Harry, que decidiu não viajar dos EUA, onde mora, depois de uma controvérsia envolvendo um pedido de segurança para a sua família. 

Harry alegou que a segurança deveria ser feita por forças oficiais, propondo-se a pagar pelo serviço, sob a justificativa de que uma empresa de segurança americana privada não teria acesso a dados oficiais sobre possíveis ataques e isso aumentaria seus riscos. 

A ausência dele foi motivo de críticas, considerada uma insensibilidade.

Alguns comentaristas especializados em assuntos da monarquia lembraram que ele tem uma viagem marcada para a Holanda em algumas semanas, e que a segurança não foi vista como um obstáculo. 

Já a presença de Andrew e a escolha dele para acompanhar a rainha, um privilégio que poderia ter sido concedido a um dos outros três filhos, surpreendeu os que achavam que sua vida pública estava totalmente encerrada. 

Em fevereiro, ele perdeu todos os títulos militares e posições em organizações beneficentes, e o Palácio de Buckingham anunciou que ele não mais participaria de atividades oficiais. 

Leia mais 

Príncipe Andrew é ‘cancelado’ das redes e do site real um dia após novo programa sobre abuso sexual

Príncipe Andrew (Foto: Divulgação/The Royal Family)

A cerimônia em homenagem ao pai não foi exatamente um compromisso oficial de representação, e sim uma situação familiar.

Mas Andrew não tinha sido visto nem em ocasiões familiares recentemente, sugerindo que a rainha pode ter encontrado agora um meio-termo para não isolá-lo totalmente. 

Mas os anti-monarquistas não perdoaram o sinal de apoio de Elizabeth II ao filho, com críticas nas redes sociais à sua atitude. Após o fim da missa, a hashtag #AbolishTheMonarchy estava entre os trending topics do Twitter. 

Entre os comentários estava a suspeita de ajuda dada pela mãe ao filho para pagar a indenização que colocou fim ao processo judicial a que Andrew respondia em Nova York. 

Aparição da rainha Elizabeth em boa hora 

Apesar da reação dos anti-monarquistas, a presença da rainha Elizabeth na cerimônia em homenagem ao príncipe Philip veio em boa hora, depois de uma semana em que a imagem da realeza sofreu novos abalos. 

Só que desta vez o problema não envolveu nenhum dos integrantes que costumam criar constrangimentos, como Harry e Andrew. 

A controvérsia aconteceu em uma visita do príncipe William e de sua mulher, Kate Middleton, a países do Caribe que fazem parte da Comunidade Britânica das Nações (Commonwealth) e têm a rainha Elizabeth como chefe de estado desde a época em que eram colônias. 

O tour real a Belize, Jamaica e Bahamas era para funcionar como uma “ofensiva de charme” a fim de conter movimentos republicanos, como aconteceu com Barbados, que virou república no início deste ano. 

No entanto, a viagem foi considerada um deslastre de relações públicas. William e Kate sofreram críticas pelo passado colonial do país, e chegaram a ter que cancelar um compromisso em Belize por reação da comunidade local. 

Kate é segunda integrante da realeza mais popular, perdendo apenas para a própria rainha, segundo pesquisa recente, mas isso não impediu que fosse vista, junto com o marido William, como representante de um tempo que muitos nesses países querem ver superado. 

Leia mais 

Kate conquista ‘trono’ de figura mais admirada da monarquia depois de Elizabeth II, diz nova pesquisa

Jubileu da rainha Elizabeth, sem o príncipe Philip 

A rainha Elizabeth comemorou oficialmente 70 anos no trono em fevereiro. Há dois anos as festividades para comemorar a data vinham sendo preparadas, e tiveram que ser alteradas devido à morte do príncipe Philip, que pela primeira vez não estará ao lado dela em uma grande comemoração. 

No dia do Jubileu de Platina, ela fez uma mensagem à nação sinalizando que seu sucessor será mesmo o filho mais velho, Charles, colocando fim a especulações sobre se o príncipe William furaria a fila por ser mais jovem e capaz de neutralizar melhor os movimentos contra o fim da monarquia no Reino Unido, um tema que ganha mais força com o avanço de idade da rainha. 

O Palácio de Buckingham ainda não anunciou novas mudanças no roteiro de festas devido ao estado de saúde mais delicado de Elizabeth II, que chegou a reclamar de problemas de locomoção em uma audiência com diplomatas estrangeiros há algumas semanas, mas é possível que elas ocorram diante dos sinais de fragilidade que ela mesma não faz mais questão de esconder. 

Leia também 

Washington Olivetto: ‘Rainha Elizabeth é a melhor agência de propaganda que a Inglaterra poderia ter’