Londres – A Royal Meteorological Society britânica, associação de promoção da ciência fundada em 1850, está com inscrições abertas para seu prêmio anual de fotografia de fenômenos climáticos. Podem concorrer profissionais e amadores de todas as nacionalidades e idades. 

O prêmio Weather Photographer of the Year (Fotógrafo de Meteorologia do Ano) vai escolher as melhores imagens de fenômenos violentos como tornados e tempestades e também cenas poéticas como nuvens delicadas, folhas cobertas de orvalho e a beleza do arco-íris, capturadas com câmeras ou celulares. 

A participação é gratuita e o prazo para inscrever trabalhos termina no dia 28 de junho. As premiações variam de £ 500 (R$ 3,1 mil) a equipamentos fotográficos. 

Fotografias com câmeras ou celular podem concorrer 

O prêmio de fotografia é dividido em três categorias: Weather Photographer of the Year (Fotógrafo de Meteorologia do Ano), Young Weather Photographer of the Year (Jovem Fotógrafo de Meteorologia do Ano, sem idade mínima ) e Mobile Phone – Weather Photographer of the Year (Celular – Fotógrafo de Meteorologia do Ano). 

Dentro delas, há classificações por tipo de fenômeno climático retratado, como nuvem, neve ou nevoeiro. Os jurados do prêmio darão especial atenção a fotografias que reflitam efeitos das mudanças climáticas.

Além de prêmios em dinheiro para o primeiro e o segundo lugar na categoria Fotógrafo de Meteorologia do Ano e Celular. (£ 500 e £ 250), o concurso distribuirá também equipamentos fotográficos, oferecerá um ano de mensalidade para fazer parte da Royal Meteorological Society e a oportunidade de os premiados terem seu trabalho exibido em exposições e no site. 

As imagens devem ser originais, sem inserção de elementos que não estavam na cena retratada, e podem ter sido capturadas há até cinco anos – vale dar uma olhada nas fotos guardadas na câmera ou no celular para ver se alguma se enquadra no concurso. Cada participante pode inscrever até cinco fotografias.

Além da escolha do júri, o prêmio de fotografia da Royal Meteorological Society terá também uma etapa de participação popular, em que o público votará online em suas imagens preferidas. 

As inscrições para o prêmio podem ser feitas diretamente no site.

Neste vídeo, os organizadores mostram algumas cenas premiadas nos anos anteriores. 

Vencedores da última edição do prêmio de fotografia

Em 2021, o Weather Photographer of the Year recebeu mais de 9 mil imagens, que foram visualizadas por milhões de pessoas em todo o mundo. 

Inspire-se com as fotografias selecionadas e premiadas pelo júri

Fotógrafo de Meteorologia do Ano da Royal Meteorological Society 2021
1º lugar – Nevoeiro matinal, por Giulio Montini, Casnate, Como, Itália

Giulio capturou esta imagem em um dia de outono de uma pequena igreja no topo de uma colina na cidade de Airuno, Itália. Pelo nevoeiro se vê um pouco do curso sinuoso do rio Adda, iluminado pelas primeiras luzes do dia.

“Muitas vezes pode ser fácil ser atraído para as fotos de clima extremo. Tivemos algumas entradas impressionantes sobre esse tema este ano que entraram em nossa lista, mas para mim, também há uma beleza fotográfica no clima calmo e sereno, que Giulio capturou lindamente” – Liz Bentley, CEO da Royal Meteorological Society.

Névoa - prêmio de fotografia
Névoa da manhã – Giulio Montini – Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021 – Fotógrafo do Ano – 1o. lugar

Os feixes de luz solar que aparecem na imagem são chamados de raios crepusculares. Eles se tornam visíveis pela dispersão da luz solar por partículas suspensas na atmosfera, como pequenas gotículas de água, poeira ou fumaça.

Normalmente os raios crepusculares irradiam por frestas nas nuvens. Mas nesta foto, as árvores tomam o lugar das nuvens, lançando sombras na paisagem. E a névoa espalha a luz do sol.

2º lugar
Selfie em um barco, por Evgeny Borisov, Rússia

Evgeny tirou esta selfie que conquistou o segundo lugar no prêmio de fotografia da Royal Meteorological Society usando um Quadcopter (tipo de drone) no Lago Kok-Kol, na Rússia. Para Evgeny, a singularidade da foto está em sua experiência do tempo por trás das lentes — mudou tão significativamente no tempo em que ele esteve lá que ele sentiu que as estações mudavam não apenas entre os dias, mas em apenas algumas horas.

Para capturar essa foto, ele esperou que a primeira neve caísse, que então cobriu o gelo do lago como um cobertor branco, deixando as áreas de água aberta como listras vívidas no branco.

barco em lago - prêmio de fotografia
Autorretrato em um barco – Eygeny Borisov – Roayl Meteorological Society Photographer of the Year 2021 – Fotógrafo do ano – 2o. lugar

Os lagos congelam de cima para baixo porque a densidade máxima da água ocorre a 4°C. Acima dessa temperatura, a água da superfície esfria, se torna mais densa e afunda, sendo substituída por água mais quente vinda de baixo.

O processo continua até que toda a área esteja em torno de 4°C. O resfriamento adicional da água de superfície forma uma camada mais leve (menos densa) de água mais fria no topo, de modo que a circulação será interrompida. Como resultado, o resfriamento se torna mais concentrado nas camadas superiores, criando gelo quando a superfície atinge 0 ° C.


Jovem Fotógrafo de Meteorologia do Ano
1º lugar – Tempestade em Kansas, por Phoenix Blue, Kansas, EUA

Phoenix capturou esta imagem de uma supercélula se aproximando em Kansas, EUA. Uma supercélula é uma tempestade com uma corrente ascendente em rotação profunda, chamada de mesociclone.

É uma tempestade poderosa, provocando tornados, queda de granizo, rajadas de vento e chuvas torrenciais. Elas acontecem entre abril e junho sobre as Grandes Planícies do centro dos Estados Unidos.

Tempestade - prêmio de fotografia
Tempestade do Kansas – Phoenix Blue – Royal Meteorological Society Young Weather Photographer ot the Year 2021 – Vencedor 1o. lugar Jovem Fotógrafo

Logo abaixo da coloração azul esverdeada da tempestade, é possível ver um tipo de nuvem conhecida como ‘Arcus’. Elas podem ser facilmente identificadas por sua formação ameaçadora em forma de cunha. São inofensivas, mas indicam tempo severo a caminho.

2º lugar – Trovoada e beleza, por Fynn Gardner, Austrália

Fynn Gardner, de 14 anos, capturou esta imagem em Frenchs Forest, New South Wales, Austrália, logo após uma tempestade.

Prêmio de fotografia, concurso de fotografia, Royal Meteorological Society, Reino Unido, mudança climática, foto do céu
Tempestade vs Beleza – Frynn Gardner – Raoyal Meterological Weather Photographer of the Year 2021 – Jovem fotógrafo 2o. lugar

Tempestades fortes são comuns no local, sobretudo de outubro a março. A Austrália classifica uma tempestade como ‘severa’ se produzir granizo medindo mais de 2 cm de diâmetro, rajadas de vento acima de 90 km / h, tornados ou chuva forte que leve a inundações.


Favoritos do público no Prêmio de Fotografia da Royal Meteorological Society 

1º lugar – Raios de uma tempestade isolada na baía de Cannes, por Serge Zaka, França
Relâmpago em tempestade - prêmio de fotografia
Relâmpago de uma tempestade isolada sobre a baía de Cannes – Serge Zaka – Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021 – 1o. lugar votação pública

Sobre esta foto, os juízes comentaram que poucas tempestades são tão bonitas quanto aquelas isoladas sobre a água. O fotógrafo estava a uma distância perfeita desta tempestade para capturar três coisas cruciais para uma composição fotográfica vencedora: o céu, a tempestade e a água.


Fotógrafo de Meteorologia do Ano Categoria Telefone Celular 


1º lugar – Manhã de nevoeiro, por Christopher de Castro Comeso, de Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos

Christopher produziu a foto do Qasr Al Hosn, um dos marcos mais antigos de Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos, em dezembro de 2020.  Ele estava voltando para casa quando viu a névoa se formando. Imediatamente, tirou a única câmera que tinha – seu telefone celular – e garantiu a imagem vencedora do concurso de fotografia. 

“Esta foto se destacou pela qualidade etérea da luz à medida que penetra na névoa e difunde as belas cores do deserto, criando uma cena quase sobrenatural. Esta imagem resume exatamente porque o smartphone se tornou uma câmera tão popular; estava ao alcance de Christopher no momento em que a névoa apareceu e permitiu que ele capturasse esta bela cena.” – Jo Bradford, jurada do prêmio de fotografia. 

manhã - prêmio de fotografia
manhã nublada – Christopher de Castro Cameso – Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021 – Vencedor Telefonia móvel

Nevoeiro é o termo usado para descrever a suspensão de gotículas de água na camada superficial da atmosfera que reduz a visibilidade horizontal para menos de 1km. Cerca de 95% da névoa observada nos Emirados Árabes Unidos é névoa de radiação, mais comum no inverno.

2º lugar – Entre chuvas, por Susan Kyne Andrews, Greystones, Irlanda

Em uma noite de maio na costa leste da Irlanda, Susan dirigiu-se ao local favorito de Evie, sua cachorra: South Beach, Greystones. No minuto em que pisou na areia, nuvens escuras se juntaram e a chuva caiu.

Enquanto caminhava, arrependendo-se de estar usando apenas uma camiseta, foi recompensada com um arco-íris duplo e mais um terceiro arco, invisível para a câmera. Fez algumas fotos com o telefone para se lembrar da quietude e do vazio da praia, tendo apenas os elementos da natureza e o clima como companhia. E acabou premiada no prêmio de fotografia da Royal Meteorological Society. 

Prêmio de fotografia, concurso de fotografia, Royal Meteorological Society, Reino Unido, mudança climática, foto do céu
Entre chuvas – Susan Kyne Andrews – Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021 – Telefonia móvel – 2o. lugar

O arco-íris se forma devido à refração (curvatura) e ao reflexo da luz do sol ao passar pelas gotas de chuva. A faixa colorida no arco externo secundário está na direção oposta ao arco primário, o que acontece quando a luz é refletida duas vezes na parte de trás das gotas de chuva.


Imagens finalistas do prêmio de fotografia da Meteorological Society em 2021

Nuvens
Nuvem na montanha, por Iain Afshar

Nuvens colorem o céu formando padrões causados ​​pelo vento. Elas dão forma às ondulações da atmosfera, que estão sempre presentes mas nem sempre são vistas. São 48 tipos classificados pelo “Cloud Atlas” da Organização Meteorológica Mundial. Várias aparecem ao mesmo tempo no céu.

Prêmio de fotografia, concurso de fotografia, Royal Meteorological Society, Reino Unido, mudança climática, foto do céu
Nuvens – Iain Afshar – Mountain cloud – Prêmio de fotografia Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021 – Finalistas

Nuvens lenticulares, também chamadas de “nuvens de onda” não se movem. Elas mudam de configuração à medida que o ar passa por elas.

São o resultado do ar subindo até seu ponto de condensação acima de um objeto, normalmente uma montanha, embora também possam resultar de ondas geradas na própria atmosfera.

Explosão de Mammatus, por Boris Jordan

As nuvens Mammatus (Mamma cumuloninbus) têm aparência bulbosa e podem aparecer de várias formas. Entre as mais impressionantes estão as que surgem em tempestades, normalmente na parte traseira da “nuvem bigorna” depois que o tempo melhorou.

Prêmio de fotografia, concurso de fotografia, Royal Meteorological Society, Reino Unido, mudança climática, foto do céu
A explosão de Mammatus (Boris Jordan / Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021)

Veja também 

Prêmio de fotografia reconhece ‘comédias da vida selvagem’ com safári no Quênia; veja campeões de 2021


Mares e oceanos
Tromba d’água, por Sandro Puncet

O planeta tem cerca de 70% de sua superfície do planeta coberta de água. As condições meteorológicas determinam quando o mar está mais calmo ou agitado.

As ondas não são as únicas formações do mar criadas pelo clima. As trombas d’água podem ser geradas sob as nuvens cumulonimbus, quando há uma uma convecção vigorosa e o ar sobe rapidamente.

oceano - prêmio de fotografia
Oceanos e mares (Sandro Puncet / Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021 – Finalistas)

Ao subir, o ar começa a girar e cria uma área localizada de pressão muito baixa. Isso faz com que resfrie e condense, formando uma coluna ou funil visível que se estende para baixo da nuvem. A água do mar é finalmente puxada para este funil. fazendo nascer uma tromba d’água (ou três, como na foto).

Ondas, por William

As ondas no mar podem ter duas origens. Uma é o vento. O atrito entre o ar que se move rapidamente durante uma ventania e as camadas superiores da água faz com que elas sejam arrastadas mais rápido do que as mais profundas, criando uma sucessão de picos e depressões. São as chamadas “ondas de vento”.

ondas no mar - prêmio de fotografia
(William / Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021)

Outras são provocadas por condições climáticas muitas centenas, até mesmo milhares de quilômetros de distância. São as chamadas ‘ondas swell’, amadas pela surfistas, que muitas vezes acontecem com tempo calmo, quando a brisa local mal agita a água.


Seca
Solo rachado, por Daniel Winter

A definição meteorológica da palavra ‘seca’ é simples: um período em que chove menos do que o normal. Mas essa palavra envolve uma vastidão de dificuldades sofridas pelas comunidades mais pobres da Terra, que vão do efeito sobre a agricultura e pecuária à falta de água.

deserto - prêmio de fotografia
Seca (Daniel Winter / Royal Meteorological Society – Weather Photographer of the Year 2021 – Finalistas)

Mas o que faz surgir a aparência “marmorizada” em campos secos, leitos de lagos e rios? A resposta está no espaço entre as partículas do solo geralmente absorvidas pela água.

Quando uma superfície seca, ela encolhe à medida que a água evapora. Como o calor do sol aquece os níveis superiores, a superfície superior encolhe mais. Isso deixa rachaduras no solo e aquelas curvaturas lembrando telhas na lama seca.

Dramas da seca, por Nguyen Ngoc Hai

Muitas vezes é difícil determinar exatamente quando uma seca começou ou terminou. Mas as pessoas que estão vivendo o problema diretamente certamente sabem quando ela está acontecendo.

natureza - deserto - prêmio de fotografia
(Nguyen Ngoc Hai / Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021)

Tempestades
Tempestade perfeita, por Craig Boehm

Vastas pradarias, uma boa rede de estradas e céu aberto são os ingredientes perfeitos para quem gosta de perseguir tempestades no Estados Unidos. Maio é o mês que reúne as condições ideais.

Nesta época, distúrbios na corrente de jato – a rápida faixa de ar várias milhas acima do solo – interagem com o ar quente e úmido vindo do norte do Golfo do México e o ar instável e frio das montanhas a oeste.

Esse ar instável tem uma taxa de lapso acentuada, o que significa que a temperatura diminui rapidamente com a altura. O coquetel de massas de ar resulta em algumas das tempestades mais violentas do planeta.

nuvens de tempestade - prêmio de fotografia
Tempestade perfeita (Craig Boehm/ Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021 – Finalistas)

As supercélulas geralmente exibem uma aparência visual impressionante, devido à forte dinâmica dentro da tempestade.

A aparência suave de algumas das nuvens mais baixas mostra onde o ar que não é flutuante está sendo “sugado” para a tempestade pela poderosa corrente ascendente rotativa acima.

Terra vermelho, por Tori Jane Osberg

Quando uma tempestade está em formação, o “caçador” tenta permanecer à frente dela para obter a melhor visão. Alguns podem dirigir mais para dentro da tempestade, mas muitos preferem manter uma visão clara da área de onde o ar está subindo para a tempestade – base da ‘correnteza’.

É nesta área que uma nuvem em funil pode se desenvolver. A coluna giratória de ar se estende da base da nuvem em direção ao sol. Vira um tornado se tocar a terra, como retrata a foto finalista do prêmio de fotografia meteorológica, ou um jato de água se encostar na água. Os tornados são fenômenos atmosféricos violentos, mas os mecanismos de sua formação ainda são estudados.

Tempestade - prêmio de fotografia
O terror vermelho (Tori Jane Ostenberg – Royal Meteorologicla Society Weather Photographer of the Year 2021)

Fenômenos ópticos
Mais calma, Fogbow, por Por Scott Robertson

O “primo” do arco-íris é o arco de névoa. Ele acontece quando as gotas minúsculas refletem luz, como no que arco-íris. Mas seu tamanho impede que apresente cores.

Geralmente vistos sobre a neve, nas montanhas e acima da névoa fria do mar, são raros de encontrar.

paisagem - prêmio de fotografia
‘Mais calma, Fogbow’ (Scott Robertson/ Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021 – Finalistas
Fenômenos óticos na troposfera, por Alan Tough

Existem fenômenos ópticos que ocorrem acima da troposfera (camada mais baixa da atmosfera terrestre). Um deles é o das nuvens nacaradas, fotografadas por Tough. Na troposfera há também auroras, nuvens noctilucentes (que brilham à noite) e várias trilhas de foguetes de naves espaciais.

natureza - prêmio de fotografia
Fenômenos Ópticos Troposféricos (Alan Tough/ Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021)

Névoa 
Névoa ou neblina?, por Andrew Bailey

Comuns no Reino Unido, névoa e neblina são formadas da mesma maneira. A diferença é visibilidade. Se for inferior a 10km, é névoa. Se for inferior a 1 km vira neblina. Elas ocorrem quando há umidade e o ar é resfriado, formando a condensação.

névoa - prêmio de fotografia
Névoas e neblinas (Andrew Bailey/ Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021 – Finalistas)

Na imagem, a geada está depositada na vegetação em primeiro plano. A névoa não tem grande profundidade, pois o sol nascente já pode ser visto. A visibilidade observada nesta direção seria a distância do observador até o moinho de vento.

Sonho, por Sabrina Garofoli

A imagem mostra a neblina confinada ao curso de um rio. O ar frio é drenado para o nível mais baixo, no fundo do vale. O rio fornece a umidade. Um pouco menos resfriamento e um pouco menos umidade resultam em condições de neblina em toda a paisagem em volta. A luz baixa do sol da manhã acentua a paisagem enevoada.

árvores e neblina - prêmio de fotografia
Sonho (Sabrina Garofoli / Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021)

Anoitecer e amanhecer
Solstício, por Mark Hume

A magia do nascer do sol, que assume um significado extra durante o solstício de verão (que ocorre entre 20 e 22 de junho no Hemisfério Norte), foi uma das imagens destacadas no prêmio de fotografia da Royal Meteorological Society. 

Esta data marca o início do verão astronômico, e é celebrada desde os tempos antigos por ser o dia mais longo do ano. A foto mostra o nascer do sol do solstício de verão no monumento pré-histórico de Stonehenge, na Inglaterra.

anoitecer - prêmio de fotografia
Amanhecer e anoitecer (Mark Hume/ Royal Meteorological Society Weather Photographer of the Year 2021 – Finalistas)
Céu vermelho à noite, por Anushree

Um ditado britânico diz: “Céu vermelho à noite, felicidade do pastor. Céu vermelho de manhã, alerta ao pastor” (Red sky at night, shepherd’s delight. Red sky in morning, shepherd’s warning”).

Ao contrário de outras tradições meteorológicas, esse ditado geralmente é verdadeiro no Reino Unido, já que os sistemas climáticos normalmente se movem de oeste para leste.

céu - prêmio de fotografia
Céu vermelho à noite (Anushre/ Prêmio de fotografia Royal Meteorological Society Weahter Photographer of the Year 2021)

Um céu vermelho aparece quando a poeira e outras pequenas partículas ficam presas na atmosfera por alta pressão, espalhando a maior parte da luz azul. Ao pôr do sol, isso significa que a alta pressão está se movendo do oeste, prometendo que o dia seguinte será seco e agradável.

Ao nascer do sol, o tom avermelhado sinaliza que o sistema de alta pressão já se moveu para o leste. O tempo bom foi embora, e provavelmente um sistema de baixa pressão úmido e com ventos está a caminho.

As fotos foram publicadas com autorização do concurso de fotografia da Royal Meteorological Society. Direitos reservados aos autores


Veja também imagens do Brasil reconhecidas no prêmio de fotografia do British Journal of Photography 

Crises ambientais brasileiras pelas lentes de estrangeiros são premiadas em concurso global

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.