Terminou nesta quinta-feira (10/6) o suspense a respeito da carreira de Jeffrey Toobin, o jornalista que protagonizou em outubro de 2020 um dos episódios mais constrangedores da nova era de reuniões virtuais das redações: ele foi flagrado se masturbando durante reunião de pauta da revista New Yorker realizada pelo Zoom.

Inicialmente suspenso e por fim demitido pela revista, Toobin recebeu uma segunda chance de seu outro empregador e voltou ar no programa vespertino de Alisyn Camerota na CNN, comprovando que há vida – e carreira – depois do vexame.

Sete meses no limbo

Redator da New Yorker desde os anos 90, Toobin classificou o episódio como “um erro embaraçosamente estúpido, de acreditar que estava fora das câmeras”. Ele disse que se desculpou com os ex-colegas que testemunharam o fato:

“Eles ficaram chocados e horrorizados. Mas perceberam que não era para eles, que era algo de que eu me arrependeria imediatamente.”

Depois de anunciar pelo Linkedin e pelo Twitter sua demissão da New Yorker, Toobin continuou listado nas duas plataformas como funcionário da CNN,  onde atua como comentarista-chefe de assuntos jurídicos.

Advogado formado por Harvard, Toobin protagonizou coberturas de casos judiciais célebres, como o julgamento do atleta O.J.Simpson, que cobriu pela New Yorker. Ele escreveu o livro considerado o mais completo sobre o caso, que serviu de base para premiada série “O Povo contra O.J.Simpson”, estrelada por Cuba Dooing Jr e John Travolta. 

Leia também: Tribunal britânico anula demissão de funcionária por tweets contra trangêneros

Segundo a Fox News, Toobin chegou a tuitar em janeiro de 2021 a mensagem “Eu voltarei”, mas a apagou em seguida. Desde então, nada aconteceu, até seu retorno ao ar esta semana.

CNN diz que erro não pode arruinar carreira para o resto da vida

Um executivo da CNN não identificado pelo The Washington Post disse ao jornal que a rede realizou uma investigação sobre o caso, que contou com a colaboração de Toobin, embora o fato tenha ocorrido durante seu trabalho para outro veículo.

Na avaliação do executivo, Toobin merecia uma segunda chance depois de ter sido humilhado e ridicularizado por um “erro embaraçoso, mas não intencional”:”

“Não acho que um erro terrível deva definir uma pessoa ou arruinar suas oportunidades de emprego para o resto da vida”.

A reaparição

Toobin reapareceu no programa apresentado pela co-âncora Alisyn Camerota, comentando a decisão de um juiz da Califórnia de revogar a proibição de armas de assalto no estado. 

Mas antes dos comentários sobre o caso, Camerota pedir para Toobin esclarecer os telespectadores sobre sua exposição indevida na reunião da New Yorker. Ele disse:

“Nada pode ser dito em minha defesa. Isso foi profundamente idiota e indefensável… Foi errado, foi estúpido e estou tentando ser uma pessoa melhor. ”

Descrevendo sua ausência da TV, Toobin disse aos telespectadores: 

“Passei os últimos sete meses mais miseráveis ​​de minha vida, tentando ser uma pessoa melhor. Estou fazendo terapia, tentando prestar algum serviço público, trabalhando em um banco de alimentos… trabalhando em um novo livro… Mas estou tentando me tornar o tipo de pessoa em quem as pessoas podem confiar novamente. ”

Ele considerou a demissão da New Yorker uma “punição excessiva”, mas reconheceu que ela tinha esse direito:

“É por isso que não pedem ao criminoso para ser o juiz de seu próprio caso.”

Em resposta, Camerota disse que estava feliz por ter Toobin de volta:

“Muitos de nós realmente sentimos falta de sua análise jurídica para nos orientar em nossos programas.”

A reação das redes sociais

Grato à CNN por recebê-lo de volta, Toobin respondeu reconheceu que seu retorno pode não ser bem-vindo de maneira geral:

“Eu vivo no mundo. Eu conheço as redes sociais. Eu sei quais são as reações prováveis, e que pessoas pesarão se era apropriado a CNN me manter ou se livrar de mim. Espero que as opiniões sejam pelo menos divididas. ”

Na verdade, Toobin vem sendo alvo das redes desde que o caso se tornou público. A hashtag #meToobin associou sua atitude a assédio sexual e moral contra os colegas participantes da reunião.

Depois do retorno, a reação já começou. Um usuário do Twitter comparou o tratamento do caso dele com o do comentarista Rick Santorum, demitido pela própria CNN no mês passado, depois de fazer comentários depreciativos sobre a cultura nativa americana:

“É incrível como a CNN demitiu Rick Santorum, enquanto Jeffrey Toobin, que agiu de forma totalmente inadequada na frente de colegas do sexo feminino em uma reunião do Zoom, ainda está na equipe.”

Leia também

Repórteres da CNN e Washington Post espionados por Trump inspiram lei para proibir a prática nos EUA

Relatórios do governo britânico revelam aumento de assédio a crianças e jovens nas redes sociais

Direitos autorais reservados. Reprodução no todo ou em parte autorizada desde que citados a fonte e o autor, com link para o artigo original.