O YouTube baniu a emissora Sky News Australia por uma semana por violar políticas de desinformação médica ao postar conteúdo negando a existência da Covid-19 e encorajando o uso de hidroxicloroquina ou ivermectina como prevenção à doença.

Apesar de a plataforma não revelar qual programa da Sky News feriu as regras, o colunista Alan Jones desponta como provável responsável pela sanção, e a própria emissora não hesitou em defender o jornalista após o caso, mesmo sem uma acusação direta.

Jones, de 80 anos, é autor de colunas críticas a medidas de prevenção da Covid-19 e chegou a afirmar que a pandemia era uma farsa em 2020.

Leia também: Nacionalista “Fox News britânica” entra no ar para enfrentar a BBC e o politicamente correto

A proibição do YouTube foi imposta na quinta-feira (29/7), um dia após o jornal Daily Telegraph encerrar a coluna regular de Jones, depois de ele ter chamado a chefe estadual de saúde de Nova Gales do Sul, Kerry Chant, de “idiota da vila” em seu programa na Sky News. O colunista ainda atacou a “ditadura” imposta pelo governo local.

O canal da Sky News Australia no YouTube, que tem 1,85 milhão de assinantes, está temporariamente suspenso de enviar novos vídeos ou transmissões ao vivo.

Emissora e colunista reagem reforçando que Jones tomou vacina

A SkyNews reagiu afirmando que Jones “nunca se opôs à vacinação”, afirmando ainda que o colunista tinha tomado sua dose de AstraZeneca “apesar de ter sete coágulos no pulmão”, ecoando a coluna de Jones no canal.

Nos dias seguintes à punição do YouTube, Jones usou seu Facebook para reforçar a ideia, e manteve a crítica aos políticos. 

“A remoção total das liberdades e a subjugação de pessoas pelos governos alcançaram proporções pandêmicas. […] Estamos acumulando bilhões de dólares em dívidas e destruindo liberdades que consideramos garantidas e pelas quais pessoas morreram na guerra para preservar.”

Se reincidir na infração, emissora pode ser banida definitivamente

A News Corp, grupo do magnata da mídia Rupert Murdoch e dona da Sky News, assinou uma parceria histórica de vários anos com o Google em fevereiro, sob o código de negociação da mídia, após uma disputa sobre a divulgação de notícias por produtos do Google.

Três avisos no mesmo período de 90 dias resultarão na remoção permanente de um canal do YouTube, afirma a empresa.

A Sky News Australia disse que “rejeita expressamente” as afirmações de que Jones ou qualquer apresentador tenha negado a existência da Covid-19 e que “nenhum desses vídeos foi publicado ou removido”.

Leia também: Google é multado em € 500 mi na França em briga com imprensa por pagamento de conteúdo

O canal da Sky no YouTube cresceu em dois anos de 70 mil assinantes para 1,85 milhões, o que é maior do que a ABC News ou qualquer outra empresa de mídia local.

Um dos vídeos mais populares, com 4,6 milhões de visualizações, é “Os australianos devem saber a verdade – este vírus não é uma pandemia” de Jones, que foi postado no auge da pandemia no ano passado.

Em julho, a Sky News foi forçada a se desculpar por uma entrevista de Jones com o primeiro-ministro Craig Kelly, na qual foi dito que a variante Delta não é perigosa e vacinas não surtem efeito. O vídeo foi removido e um pedido de desculpas foi publicado no site Sky News.

Leia também

Redes sociais ignoram 84% das denúncias sobre ódio contra judeus, aponta pesquisa

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.