Na sequência da divulgação do relatório sobre o clima mundial, nesta segunda-feira (9/8), pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), órgão das Nações Unidas (ONU), negacionistas do clima e da ciência utilizaram as redes sociais para espalhar desinformação em massa sobre o tema, alerta a agência de checagem de fatos First Draft.

O monitoramento detectou uma “onda” de notícias falsas. O site alemão Disclose.tv, que segundo a First Draft divulga com frequência notícias de veracidade duvidosa, escreveu em suas redes que as mudanças climáticas nada mais são do que o ciclo natural do clima —  ou seja, tais alterações seriam normais, repetindo o que já teria ocorrido na história do planeta.

Um dos tweets diz: “Se você observar, isso é o que aconteceu nos últimos 500 mil anos.”

Leia também: Parlamentar da Austrália paga anúncios de teoria da conspiração sobre controle da “elite globalista”

Muitos alegaram que os avisos do IPCC são “alarmantes, exagerados e falsos”. Em entrevista à Sky News, o senador australiano Matt Canavan disse que o órgão “vem dizendo há 50 anos que nós temos dez anos para salvar o planeta, e eles estão constantemente errados”. Vale lembrar que o IPCC foi fundado há 33 anos, em 1988.

ONU alerta para danos irreversíveis no clima

O secretário-geral da ONU, António Guterres, classificou o relatório como “um código vermelho para a humanidade”, observando que “o aquecimento global está afetando todas as regiões da Terra, com muitas mudanças se tornando irreversíveis”.

Entre os negacionistas do clima, o escritor dinamarquês Bjorn Lomborg fez uma thread no Twitter sobre “alarmismo” e “histeria climática”. Postado no último domingo (8/8), o tweet teve mais de 2.600 compartilhamentos e 4.200 interações. 

(Reprodução/Twitter)
Festa de Obama entra na artilharia das fake news

Outra movimentação nas redes detectada pela First Draft foi a tentativa de desviar o foco do tema.

Usuários postaram que John Kerry, enviado especial dos Estados Unidos à ONU para o clima, havia pegado um jato particular para ir à festa de aniversário do ex-presidente americano Barack Obama, em Martha’s Vineyard, ilha ao sul de Massachusetts. 

Leia também: Relatório aponta uso de redes sociais por setor de óleo e gás para defender combustíveis fósseis

O Departamento de Estado americano informou que na verdade Kerry foi de balsa ao evento.

Contra-ataque às políticas “verdes”

Os posts falsos sobre o ocorrido foram feitos, em sua maioria, por oposicionistas às chamadas “políticas verdes”, destaca a First Draft.

O The Daily Wire, veículo fundado pelo influenciador de extrema direita Ben Shapiro — que segundo a agência publica desinformação frequentemente — publicou um artigo cujo título é “Hipócritas, patéticos e desonestos sinalizadores de virtude: Megyn Kelly rasga os alarmistas do clima”.

O texto, que relaciona o relatório da ONU com o jato particular de Kerry, foi compartilhado ao menos 2.000 vezes no Facebook. 

Leia também

Opinião | Justiça climática: a conexão entre justiça social e mudança climática