Uma reunião escolar nos Estados Unidos (EUA), que vive o momento de volta às aulas após o verão, acabou gerando um vídeo com conteúdo com desinformação sobre a Covid-19 que já alcançou mais de um milhão de visualizações no YouTube. 

Durante o evento, um homem que se apresenta como médico familiar dedica 7 minutos contra a “discriminação” no ambiente escolar, questionando a vacinação contra a Covid-19 como questão de segurança sanitária.

O material foi apontado pela organização de checagem de fatos First Draft como um viral de destaque na volta às aulas nos EUA.

Leia também: Parlamentar da Austrália paga anúncios de teoria da conspiração sobre controle da “elite globalista”

Os comentários foram enviados ao YouTube e a plataformas de vídeo alternativas, como BitChute e Rumble.

Uma análise da Media Matters, agência americana de checagem e análise de mídia, descobriu que o vídeo recebeu pelo menos 90 milhões de interações no Facebook nos últimos dias.

Quando a desinformação parte de médicos

O caso é um exemplo da desinformação médica nas redes sociais, que sempre existiu mas aumentou e se tornou mais perigosa após a Covid-19. 

Em conversa com o MediaTalks em dezembro, Drauzio Varella, médico oncologista, ex-diretor do serviço de Imunologia do Hospital do Câncer, em São Paulo, entre outras tantas atribuições, ressaltou a necessidade de responsabilizar agentes de saúde que espalharem desinformação sobre doenças.

O dr. Drauzio afirma que os conselhos de medicina do país estão sendo omissos ao não punir médicos que se manifestam publicamente defendendo conceitos cientificamente errados ligados à Covid-19. Ele ainda citou o exemplo da atuação do conselho norte-americano, que suspendeu por vários meses o registro de um médico que insistia em não usar a máscara em locais públicos. 

“Devido ao seu conhecimento técnico, os médicos têm muito mais responsabilidade do que qualquer outra pessoa de se manifestar corretamente sobre a pandemia. Não consigo entender as motivações de alguns. E nem a omissão dos órgãos de classe que têm a obrigação de zelar para que isso não aconteça.”

O que diz o vídeo

O médico, que se apresenta como dr. Dan Stock, afirma que as máscaras não protegem contra o coronavirus e que não é possível erradicar a Covid-19 por ela ter “reservatório” em animais, o que a manteria eternamente na natureza.

Ele levanta dúvidas sobre eficácia das vacinas, apontando surtos da Covid-19 em pleno verão americano. E ainda afirma ter curado pacientes com vitamina D, zinco e ivermectina.

Leia também: Facebook derruba contas de agência com esquema de fake news mundial que envolveu brasileiro

Além de defender tratamentos comprovadamente sem eficácia, o médico desconsidera que o foco principal da primeira geração de imunizantes contra a Covid-19 é diminuir o número de mortes e cessar a pressão sobre os hospitais, que tiveram as UTIs lotadas nos picos da pandemia.

Médico fez discurso contra governo americano

Durante a reunião do conselho da escola Mount Vernon, no estado de Indiana, Stock, que dirige um serviço de “medicina funcional”, mas afirma ser “especialmente treinado em imunologia e regulação de inflamação”, pediu que a administração escolar rejeitasse o conselho “contrafactual” do governo americano sobre o uso de máscaras, vacinação e tratamentos. 

Stock também afirmou que tratou com sucesso uma dúzia de pacientes Covid-19 em seu consultório, inclusive por meio do uso de ivermectina, um tratamento não comprovado que é popular entre indivíduos e grupos antivacinas. 

O próprio laboratório que fabrica a ivermectina, a norte-americana MSD (Merck Sharp and Dohme), afirmou em fevereiro que o remédio não tem eficácia contra o coronavirus.

O discurso na escola remete à teoria da Amplificação Dependente de Anticorpos, uma narrativa que defende que os micro-organismos induzidos pela vacina contra a Covid-19 aumentam a doença e causam a morte.

Leia também

YouTube bane emissora de TV por uma semana por desinformação sobre Covid-19

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.