A censura do Talibã sobre os jornalistas no Afeganistão está fazendo com que a mídia desapareça no país, e o restante da imprensa que ainda opera, funcione sob a mordaça dos radicais. Estimativas apontam que de 108 publicações que funcionavam em 2020, entre rádios, jornais e TVs, cerca de 100 cessaram suas atividades com a ascensão do grupo ao poder.

Jornalistas mulheres estão sendo obrigadas a abandonar seus trabalhos. O Talibã faz ameaças diretas às profissionais de imprensa, ou ainda, pressiona as empresas onde elas trabalham a retirá-las de atividade.

Segundo levantamento divulgado pela organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) em parceria com o Centro para a Proteção de Jornalistas Mulheres Afegãs (CPAWJ), de um total de 700 jornalistas mulheres que trabalhavam no Afeganistão, cerca de 76 continuam trabalhando.

Em outras palavras, destaca a RSF, “mulheres jornalistas estão em vias de desaparecer da capital”. O estudo comparou a situação atual com registros do ano passado, quando o país possuía 108 veículos de comunicação com um total de 4.940 funcionários em operação. 

Nesta quinta-feira (9/9), o aeroporto de Cabul foi reaberto e deve retomar gradualmente uma rotina de voos.

Leia também

Premiada jornalista afegã relata fuga de Cabul: “Todos no avião choravam, inclusive eu”

Jornalistas no Afeganistão trabalham sob censura constante do Talibã

Mesmo tendo prometido publicamente proteger os jornalistas no Afeganistão e respeitar a liberdade de imprensa, por trás das câmeras o Talibã está impondo regras e restrições à mídia. Jornalistas foram espancados ao cobrir protestos da população contra os radicais.

“Um dos talibãs colocou o pé na minha cabeça, esmagou meu rosto contra o concreto. Eles me chutaram na cabeça … Achei que eles iam me matar”, relatou o fotógrafo Nematullah Naqdi à Agência France Presse (AFP). O novo governo proibiu protestos, a menos que sejam autorizados pelo Ministério da Justiça.

Canais de TV privados são ameaçados diariamente, e emissoras são forçadas a suspender parte da programação por ordem dos radicais, sob a justificativa de que o conteúdo deve respeitar a Sharia, lei islâmica.

Todos os escritórios locais da Tolo News, rede de TV privada com alcance nacional, fecharam. Em Mazar-i-Sharif, a quarta maior cidade do país, jornalistas foram forçados a parar de trabalhar e a situação é “muito tensa”, relata a RSF.

Leia também

Na TV, Talibã usa soldados armados e faz apresentador ler mensagem em que diz: “Não tenham medo”

Um correspondente de uma estação de rádio nacional contou à RSF que segue trabalhando “sob a ameaça do Talibã, que comenta tudo o que faço. ‘Por que você fez essa matéria? E por que não nos pediu nossa opinião?’ eles dizem. Eles querem comentar todas as reportagens”.

Correspondentes estrangeiros em Cabul estão conseguindo trabalhar de maneira “quase normal”, afirma a RSF, “mas por quanto mais tempo isso durará”?, questiona a organização.

O Departamento de Informação e Juventude do Emirado Islâmico do Afeganistão emitiu a seguinte mensagem para jornalistas estrangeiros em 21/8: “Antes de entrar em campo e gravar entrevistas com combatentes do IEA e a população local, eles devem se coordenar com o IEA ou, caso contrário, serão presos”.

Leia também

Imprensa no Afeganistão tem publicações fechadas e jornalistas abandonam casas tentando fugir

Longe de Cabul, situação das mulheres é ainda mais dramática

A RSF explicou que a maioria das jornalistas foi forçada a parar de trabalhar nas províncias, onde quase todos os meios de comunicação privados deixaram de operar com o avanço das forças do Talibã. 

Algumas ainda conseguem trabalhar de casa, mas o número é muito menor em comparação a 2020, quando havia 700 jornalistas mulheres em atividade no país.  

Cerca de dois dias após a tomada do poder pelo Talibã, repórteres e apresentadoras de canais como Tolo News, Ariana News, Kabul News, Shamshad TV e Khurshid TV voltaram a falar no ar e a cobrir eventos, mas a tolerância dos extremistas logo se esgotou.

Nahid Bashardost, repórter da agência de notícias independente Pajhwok, foi espancada pelo Talibã enquanto fazia uma reportagem perto do aeroporto de Cabul em 25/8. Outras jornalistas disseram que guardas posicionados fora de seus locais de trabalho as impediram de sair para reportagens.

Um produtor que trabalhava para um canal nacional privado disse à RSF que o Talibã espancou cinco repórteres e operadores de câmera, chamando-os de “descrentes”.

“Eles controlam tudo o que transmitimos. No campo, os comandantes do Talibã pegam os números de nossos repórteres e dizem a eles: ‘Quando você preparar esta reportagem, você dirá isso e aquilo’. Se eles disserem outra coisa no material, eles são ameaçados.”

Leia também

Lei Sharia: “Que jornalismo pode haver quando o Taleban diz o que se pode ou não falar?”, questiona Federação de Jornalistas

Emissoras de TV alteram programação sob ordens do Talibã

Um representante de um canal comercial de TV contou que, no lugar do conteúdo proibido pelo novo governo dos radicais, eles estão transmitindo curtos boletins de notícias e documentários antigos.

O proprietário de uma estação de rádio privada ao norte de Cabul disse à RSF que o grupo extremista controla a cobertura de notícias: 

“Eles nos disseram: ‘Você pode trabalhar livremente, desde que respeite as regras islâmicas’, mas então eles começaram a nos ‘orientar’ sobre as notícias que poderíamos ou não transmitir e o que eles consideram as reportagens justas”. O proprietário acabou fechando sua estação de rádio. 

Um outro profissional contou à RSF que o Talibã está pedindo que os meios de comunicação mais tradicionais do país transmitam vídeos e clipes de áudio de propaganda do grupo extremista.

“Quando os veículos se opõem, o Talibã diz que é apenas publicidade e está disposto a pagar para que seja transmitido, e então insiste, referindo-se ao nosso dever nacional ou islâmico.”

Leia também

Na caçada a jornalistas no Afeganistão, Taleban mata parente de editor alemão que já tinha deixado o país

Radicais armados invadiram programa de TV e divulgaram comunicado 

Em 29/8, combatentes do Talibã fizeram uma aparição na TV nacional afegã , cercando o apresentador de um debate político  enquanto ele lia um manifesto do grupo que pedia a colaboração dos telespectadores, que não devem temê-los.  “Não tenham medo”, disse o apresentador, rodeado de metralhadoras.

O trecho do programa foi compartilhado pela jornalista e apresentadora do BBC World News Yalda Hakim, que descreveu a situação como “surreal” e acrescentou: “É assim que um debate político agora aparece na TV afegã — soldados talibãs vigiando o apresentador”.

A Deutsche Welle, emissora pública alemã, denunciou que um de seus editores foi perseguido pelas tropas do Talibã. Após não encontrarem o jornalista, que havia fugido, os radicais mataram um de seus parentes e deixaram outro gravemente ferido.

Na província de Herat, em reunião com representantes da imprensa em 17/8, o novo governador declarou que “não era inimigo [da imprensa] e que definiriam a nova forma de trabalhar juntos”.

O governador citou uma frase da lei islâmica: “A Sharia define tudo: ‘Comande o que é bom, proíba o que é mau.’ Você apenas tem que aplicá-lo”.

“Depois disso, a maioria dos meus colegas deixou a cidade e nós que ficamos temos que provar constantemente que aquilo que transmitimos comanda o que é bom e proíbe o que é mau”, diz o chefe da rádio local.

Leia também

Documentos achados por repórter em embaixada britânica tomada pelo Talibã revelam falhas na proteção a staff afegão

Análise | Taleban dá aula de relações públicas na largada, mas será julgado por atos, não por palavras