Londres – Embora uma grande parte da população britânica ainda esteja convencida de que o mundo não seja mais o mesmo depois do atentado de 11/9 em Nova York, esse número vem diminuindo com o tempo. A tendência foi captada por um estudo do instituto de pesquisas YouGov, que comparou levantamentos realizados em 2011 e 2021.

Enquanto em 2011, dez anos após o atentado que matou quase 3 mil pessoas, 53% dos britânicos diziam que o evento tinha mudado completamente o mundo, esse número baixou para 42% na pesquisa realizada em agosto deste ano.

Outros 45% acreditam que o mundo mudou “um pouco”, índice pouco maior do que os 38% registrados em 2011.

Apenas uma em doze pessoas (8%) diz que não mudou muito ou não mudou nada, número  semelhante ao verificado uma década atrás (7%).

Leia também

20 anos depois de 11/9, apenas 5% dos britânicos acham que guerra contra o terror está sendo vencida

Medo de ser vítima de atentado aumentou nos últimos dez anos

Embora a percepção do impacto do atentado de 11 de setembro no mundo venha diminuindo, o medo de ser vítima de novos atentados tem aumentado entre os britânicos nos últimos dez anos.

Enquanto em 2006 e 2011 a maioria (55%) dos britânicos acreditava que não havia virtualmente nenhuma chance ou uma chance muito baixa de eles ou um ente querido se tornarem vítimas de terrorismo, esse percentual baixou para 42% em 2021.

Em vez disso, a possibilidade mais considerada atualmente é “bastante baixa” com 36% – um índice de 5 a 6 pontos mais alto do que em 2011 e 2006.

Por outro lado, o número de pessoas que acredita numa chance alta ou razoavelmente alta de que elas ou alguém próximo a elas se machuquem ou morram em um ataque terrorista vem se mantendo estável. Esse percentual foi de 8% em 2021 contra 7% em 2011 e os mesmos 8% em 2006.

O fator preocupante é que um maior número de pessoas não souberam responder à questão este ano, o que pode causar distorções nas comparações.

Grande maioria ainda lembra de onde estava quando soube do atentado

Apenas uma em cada dez britânicos (10%) não consegue se lembrar onde estava ao ouvir a notícia, enquanto outros 8% eram muito jovens ou ainda não tinham nascido.

Britânicos com idades entre 50 e 64 (que tinham entre 30 e 44 anos na época) são os que mais se lembram desse dia, com 93% dizendo que ainda está fresco em sua memória.

Entre os jovens de 18 a 24 anos, 7% se lembram de onde estavam quando souberam dos ataques, apesar de as pessoas mais velhas desse grupo terem apenas quatro anos na época.

Leia também

11/9 disparou patriotismo e medo nos EUA; hoje Covid-19 e saúde preocupam mais do que terrorismo, mostra pesquisa

Maioria acredita que atentado teve mais impacto do que crise financeira de 2008

A lembrança tão vívida do ataque de 11 de setembro pode explicar porque na hora de comparar qual dos dois eventos teve maior impacto no mundo, os britânicos continuam a classificar o atentado em Nova York mais impactante do que a crise financeira de 2008.

Assim como na pesquisa de 2018, mais da metade dos britânicos consideram que o atentado de 11 de setembro teve mais impacto no mundo do que a crise de 2008. O índice, que era de 54% em 2018, subiu para 59% este ano.

Por outro lado, diminuiu o número de britânicos que considera que o impacto maior foi provocado pela crise de 2008 – que até a pandemia do coronavírus tinha sido a pior recessão desde a década de 20 do século passado. O percentual caiu de 32% em 2018 para 30% em 2021.

Leia também

Demissão de braço-direito do príncipe Charles por doações em troca de favores abre crise de RP na família real

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.