Por Mark Hertsgaard, jornalista* 

A ExxonMobil tem enaltecido seu compromisso de “reduzir as emissões de carbono com soluções de energia inovadoras”

As empresas de combustível fóssil têm tanta responsabilidade quanto os governos pelas dificuldades climáticas da humanidade — e por encontrar uma saída.

Nosso planeta está pegando fogo e essas empresas literalmente forneceram o combustível. Pior, eles mentiram sobre isso durante décadas para amenizar a resposta da consciência pública e a reforma das políticas.

Não há momento melhor para a ExxonMobil e outros gigantes do petróleo serem responsabilizados do que na cúpula do clima Cop26 em Glasgow, em novembro.  A cúpula na Escócia é mais do que apenas mais um encontro internacional.

Leia também

Para 78% dos jovens do Brasil, governo mente sobre ações contra mudança climática, diz pesquisa global

Cúpula sobre mudança climática é chance de responsabilizar empresas

É a última chance para os líderes mundiais limitarem o aumento futuro da temperatura a um nível em que a civilização possa sobreviver.

Fazer isso, segundo os cientistas, exigirá um rápido declínio global na queima de petróleo, gás e carvão.

As empresas resistiram ferozmente a esse chamado imperativo durante anos, fazendo lobby junto aos governos, muitas vezes nos bastidores, para manter o status quo.

A Cop26 é o cenário ideal para chamar a atenção do mundo para a resistência das empresas sobre a mudança climática e levá-las a julgamento, pelo menos no tribunal da opinião pública.

Os tribunais de todo o mundo já estão liderando o caminho. No final do ano de 2020, pelo menos 1.550 ações judiciais sobre mudanças climáticas foram movidas em todo o mundo contra governos e empresas, de acordo com dados coletados pelo Sabin Center for Climate Change Law da Columbia University.

Dezenas dessas ações buscam compensação financeira de empresas de combustíveis fósseis, por perdas e danos causados ​​pela queima de produtos em incêndios.

Leia também

Estudo aponta “discursos de atraso” como nova tática da indústria petrolífera para negar mudança climática

Documentos das petroleiras apontavam aquecimento já nos anos 1970

Algumas ações judiciais — por exemplo, aquelas movidas pela cidade de Nova York e pelo estado americano de Minnesota — apontam que as empresas de petróleo e gás sabem em particular há décadas que seus produtos causariam um aumento catastrófico de temperatura e mudanças climáticas extremas. 

No entanto, essas corporações mentiram sobre o que sabiam, dizendo ao mundo exterior que as mudanças climáticas causadas pelo homem não eram comprovadas.

Um documento interno da Exxon de 16 de outubro de 1979 e com o selo “Informações Proprietárias”, relativo à confidencialidade dos dados, afirmava que o aumento da combustão de combustíveis fósseis “causará um aquecimento da superfície da Terra […] e efeitos ambientais dramáticos antes do ano 2050”.

A Royal Dutch Shell até mesmo antecipou a atual onda de ações judiciais: um estudo interno em 1998 previu um cenário em que grupos ambientais se uniriam para “uma ação coletiva com base em negligenciar o que os cientistas, incluindo os próprios [da indústria], vêm dizendo há anos”.

De fato, em maio passado, a filial holandesa do grupo de defesa Friends of the Earth ganhou um caso histórico contra a Shell . Um tribunal holandês ordenou que a Shell alinhe suas operações globais com a meta do acordo de Paris de limitar o aumento da temperatura a 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais. 

Isso exigirá que a Shell reduza suas próprias emissões e as de seus clientes em impressionantes 45% em relação aos níveis de 2019 até 2030. A Shell está apelando da decisão.

Leia também

World News Day 2021 vai destacar o valor do jornalismo de qualidade para a solução da crise climática

Corporações podem ser parte construtiva da solução para o clima

Essas grandes e rápidas reduções de emissões são exatamente o que a ciência mais recente diz que a cúpula de Glasgow deve alcançar. Somente reduzindo as emissões de retenções de calor pela metade até 2030 a humanidade pode plausivelmente alcançar o imperativo maior de acabar com as emissões inteiramente até 2050.

As empresas de combustíveis fósseis não podem ser levadas a julgamento em Glasgow: a cúpula da Cop26 é uma reunião diplomática, não um tribunal. Mas irregularidades também podem ser alegadas e julgadas em tribunais de opinião pública. 

A Cop26, como uma reunião de alto nível de milhares de funcionários do governo e representantes da sociedade civil que receberá ampla cobertura da mídia, pode ter um impacto poderoso nas narrativas públicas em todo o mundo.

Os procedimentos formais da Cop26 também oferecem a oportunidade de tornar as empresas de combustíveis uma parte construtiva da solução para a emergência climática. Governos e ativistas climáticos há muito exigem compensação pelas perdas e danos que os países pobres sofrem com eventos climáticos extremos que são agravados pela crise climática, como calor, seca, tempestades e aumento do mar. 

Leia também

Relatório da ONU sobre emergência climática gera onda de fake news nas redes sociais

Eles justificam essa demanda por dois motivos: esses impactos climáticos recaem desproporcionalmente sobre os países pobres, embora eles tenham emitido exponencialmente menos gases que retêm o calor do que os países ricos.

Os países ricos aceitam essa lógica: no acordo de Paris, eles se comprometeram a fornecer US$ 100 bilhões (R$ 532 bilhões) por ano em ajuda climática aos países pobres. Eles ainda precisam honrar essa promessa, no entanto, os especialistas calculam que os países realmente pobres precisam de pelo menos o dobro de dinheiro para se adaptarem aos impactos do clima e, ao mesmo tempo, mudarem suas economias para energia limpa.

Seja qual for o valor real, os contribuintes dos países ricos são os que estão atualmente programados para cobrir os custos dessa ajuda climática. Mas por que esse fardo não deveria recair sobre os verdadeiros autores da emergência climática?

As empresas de combustíveis fósseis sabem há décadas que estão levando a civilização à ruína. Eles não se importaram. Na verdade, eles mentiram para manter os lucros entrando. Não é hora de começarem a pagar pelos problemas e sofrimentos que causaram?


  • Mark Hertsgaard é correspondente ambiental do The Nation, diretor executivo da Covering Climate Now e autor de vários livros sobre mudança climática.

Esta matéria está sendo republicada como parte da Covering Climate Now , uma colaboração global de veículos de imprensa globais dedicados a aumentar e aprimorar a cobertura sobre as mudanças climáticas. O MediaTalks integra o CCNOw.