Londres – A Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura) firmou uma parceria com a rede social TikTok para combater o negacionismo e as fake news sobre o Holocausto na plataforma de vídeos curtos.

A iniciativa foi anunciada no Dia Mundial em Memória das Vítimas do Holocausto, celebrado em 27 de janeiro. 

Segundo a organização,  17% do conteúdo relacionado ao Holocausto no TikTok foi criado para negar ou distorcer verdades sobre o genocídio que exterminou 6 milhões de judeus na Segunda Guerra Mundial. 

Fake news sobre Holocausto na rede 

Pela iniciativa, os  usuários que buscarem termos relacionados ao período serão agora redirecionados a informações verificadas, com o objetivo de controlar a circulação de dados falsos sobre o Holocausto e conteúdo antissemita. 

O TikTok já teve muitos problemas com conteúdo relacionado ao Holocausto e é criticado por organizações por não controlar a disseminação de ataques a judeus e fake news sobre o genocídio. 

O impacto é alto, pois a rede social é a marca global a que mais cresceu em valor de mercado em 2021 segundo ranking da consultoria Brand Finance, e em dezembro ultrapassou o Google como principal destino na internet

Em 2020, o TikTok teve que se pronunciar diante de um ‘desafio’ em que usuários apareciam com maquiagem simulando hematomas e atuavam como vítimas do Holocausto. Alguns chegavam a ter trilha sonora de tiros e bombas ou canções pop. 

Em junho do ano passado, a organização Liga Antidifamação denunciou a proliferação de conteúdo antissemita na plataforma. Judeus chegaram a ser censurados ou bloqueados por engano, como se estivessem incentivando o comportamento de ódio. 

Ao anunciar o acordo com o TikTok, a Unesco destacou uma pesquisa feita em agosto passado pelo Centro para o Combate ao Ódio Digital. O trabalhou mostrou que 84% do conteúdo antissemita reportado às empresas de redes sociais foram autorizados a continuar nas plataformas.  

Em outubro, um relatório da organização britânica Hope Not Hate constatou que o ódio contra judeus está amplamente disseminado nas redes sociais na Europa. E que jovens estão sendo “apresentados” ao antissemitismo pelas plataformas.

De acordo com dados da Unesco, 17% do conteúdo relacionado ao Holocausto no TikTok foi criado para negar ou distorcer verdades. 

Site esclarece fake news sobre o Holocausto

Para tentar conter a onda de vídeos negacionistas do holocausto ou que promovam teorias conspiratórias sobre o extermínio de judeus em sua plataforma, o TikTok vai direcionar as pessoas que pesquisarem termos relacionados ao assunto, como “sobrevivente do Holocausto”, ao site www.aboutholocaust.org, criado pelo Congresso Judaico Mundial (CJM) e pela Unesco.

Se a pessoa buscar termos relacionados ao Holocausto que violem as regras do TikTok, ela será informada que os resultados foram banidos e também será convidada a entrar no site educacional, que está disponível em 19 idiomas (incluindo português) e traz dados sobre as raízes do genocídio.  

O site tem perguntas e respostas sobre o assunto, depoimentos de sobreviventes e ainda campanhas para reverter o ódio contra judeus e as fake news sobre o Holocausto. 

O banner do TikTok que leva ao site diz: “Lembre-se de consultar fontes confiáveis para evitar a disseminação do ódio e desinformação”.

Nos próximos meses, as informações também aparecerão na parte inferior dos vídeos que usam hashtags relacionadas ao Holocausto ocorrido na Segunda Guerra Mundial (1939-1945). 

“A educação é uma das maneiras mais poderosas de combater o ódio”, afirmaram Eric Ebenstein, diretor de políticas públicas do TikTok, e Elizabeth Kanter, diretora de relações governamentais  da plataforma.

Leia também 

Moderadora processa TikTok nos EUA por danos emocionais ao assistir conteúdo ilegal

Desinformação sobre holocausto entre jovens  

Segundo a Unesco, as teorias da conspiração e a desinformação aumentaram de forma dramática desde o começo da pandemia da Covid-19.

Um estudo feito em 2020 constatou que 41% dos jovens americanos acreditavam que 2 milhões de judeus foram mortos, não 6 milhões.  

Na França, 69% dos que responderam à pesquisa e fazem parte das gerações Millennial e Z não conheciam os números oficiais sobre o Holocausto. Na Áustria, o índice foi de 58%. 

Há um ano, a Unesco e o CJM lançaram uma parceria similar com o Facebook. Segundo a agência,  desde então o site especial sobre o Holocausto já foi acessado 400 mil vezes em mais de 100 países.  

Fake News sobre holocausto em ação de moderadora 

Conteúdo negacionista sobre o holocausto foi um dos motivos apresentados por uma moderadora de conteúdo americana que abriu processo contra a plataforma chinesa em dezembro alegando danos emocionais ao assistir vídeos sobre temas ilegais ou nocivos. 

Candie Frazie foi demitida ao acionar judicialmente o gigante da mídia social sob a acusação de manter um ambiente de trabalho perigoso para os moderadores. 

Na petição inicial, os advogados detalharam como o conteúdo é prejudicial, apontando não apenas atos criminosos e de conteúdo sexual explícito, mas também desinformação com potencial de “desestabilizar a sociedade”.

“Os moderadores de conteúdo também enfrentam exposição repetida a teorias da conspiração (incluindo sugestões de que a pandemia da Covid-19 é uma fraude), distorções de fatos históricos (como negações de que o Holocausto ocorreu), crenças marginais e desinformação política (como informações falsas sobre a participação no censo, mentiras sobre o status de cidadania de um candidato político ou elegibilidade para um cargo público e vídeos manipulados ou adulterados de autoridades eleitas).”

Desafios, problema para o TikTok

Os desafios também viraram uma enorme dor de cabeça para o TikTok, seja por motivos como antissemitismo e fake news sobre o Holocausto como por acidentes e incentivo a atos de vandalismo.

Nos Estados Unidos, a ideia de gravar vídeos subindo em frágeis blocos de embalagens causou acidentes e ferimentos. 

Leia mais

 TikTok decide banir “desafio da caixa de leite” após ortopedistas apontarem risco de fraturas

Em setembro do ano passado, na volta às aulas no hemisfério norte, o desafio era vandalizar banheiros de escolas, iniciativa que despertou a ira de diretores assustados com o roubo de mobiliário e destruição de pias e vasos sanitários.

Leia mais

TikTok é obrigado a remover mais um “desafio” depois de onda de vandalismo em escolas nos EUA

Mais sério, no entanto, é o drama do suicídio associado à plataforma de vídeos curtos. 

Também em setembro passado a rede social anunciou um conjunto de recursos para ajudar os usuários com problemas de saúde mental e pensamentos suicidas, e expandiu o conteúdo de prevenção a transtornos alimentares. 

Leia mais

TikTok anuncia recursos para prevenção de suicídio e amplia conteúdo sobre transtornos alimentares

A mudança foi uma reação aos questionamentos sobre os efeitos do TikTok no bem estar dos usuários, sobretudo depois do caso ocorrido em 2020, quando o filme de um americano cometendo suicídio viralizou, alarmando pais de crianças que tiveram acesso às imagens. 

Leia também 

Redes sociais estão apresentando antissemitismo às novas gerações, aponta pesquisa britânica

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.