O jornal New York Times (NYT) conquistou seu primeiro Oscar este ano com um documentário que conta a história pouco conhecida da jogadora de basquete Lusia “Lucy” Harris, a primeira e única mulher a ser escolhida no draft (recrutamento de jogadores universitários) da NBA.

“The Queen of Basketball” levou o Oscar de Melhor Documentário de Curta-Metragem. Dirigido por Ben Proudfoot, o filme tem a produção executiva assinada pelos astros do esporte Shaquille O’Neal e Stephen Curry.

Entre os concorrentes ao prêmio na mesma categoria estava o brasileiro Pedro Kos, codiretor de “Onde eu Moro”, produção da Netflix mostrando a vida de moradores de rua de San Francisco, Los Angeles e Seattle.

Documentário premiado com Oscar mostra trajetória de atleta pioneira

A obra vencedora do Oscar de melhor documentário de curta-metragem integra a série “Almost Famous” da seção Op-Docs do NYT, uma coleção de curtas-metragens com pessoas que quase fizeram história. O Op-Docs, que faz parte do departamento Opinion Video do NYT, já foi indicado a outros quatro prêmios da Academia.

Lusia “Lucy” Harris-Stewart, uma das jogadoras mais talentosas do basquete feminino, morreu aos 66 anos em janeiro deste ano.

Ela foi pioneira no esporte, marcando a primeira cesta da história olímpica feminina e se tornando a primeira e única mulher oficialmente draftada pela NBA.

A convocação de Lusia Harris foi feita pelo time New Orleans Jazz, em 1977, mas ela não entrou na liga porque estava grávida na época.

Em 1992, ela foi introduzida no Basketball Hall of Fame como a primeira mulher negra a ganhar essa honra. Mais tarde, ela foi consagrada no Hall da Fama do Basquete Feminino, em 1999.

Apesar das honrarias oficiais, ela permaneceu pouco conhecida, mesmo entre os entusiastas do basquete.

Leia também

O Oscar é homem, branco e americano: veja o raio-x da diversidade nos 93 anos da estatueta

Adam Ellick, que lidera o Op-Docs e o Opinion Video do NYT, e também foi produtor executivo do documentário, celebrou a vitória no Oscar:

“Lucy Harris dominou seu esporte durante uma época em que as atletas do sexo feminino não tinham notoriedade e uma plataforma viável para ter sucesso no nível profissional.

É por isso que esta história apresentando uma dos maiores atletas universitárias de todos os tempos permanece tão tragicamente desconhecida.”

“No entanto, Lucy ajudou a pavimentar o caminho para as estrelas da WNBA (liga feminina). Nossa equipe Op-Docs está muito orgulhosa de ter desenvolvido e encomendado este filme com o cineasta incrivelmente talentoso Ben Proudfoot. Seu trabalho não apenas homenageia o legado de Lucy, mas também inspirará futuras gerações de atletas do sexo feminino”.

“The Queen of Basketball” estreou no Tribeca Film Festival 2021 e ganhou Melhor Documentário de Curta-Metragem no Palm Springs International ShortFest 2021.

O filme também foi premiado como o Melhor Documentário de Curta-Metragem no Critics Choice Documentary Awards de 2021.

Este é o terceiro ano consecutivo que Op-Docs recebe uma indicação ao Oscar: Proudfoot foi indicado em 2021 por “A Concerto Is a Conversation” e “Walk Run Cha-Cha”, de Laura Nix, foi indicado em 2020.

Assista ao documentário do NYT premiado no Oscar

Leia também

O Poderoso Chefão, 50 anos: 10 lições de Don Corleone para o trabalho e para a vida; assista

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.