Londres – Sete meses após a morte da jornalista grávida Rasha Abdullah al-Haraz em um atentado a bomba, um triste padrão volta a se repetir no Iêmen, causando comoção e reação de entidades defensoras da liberdade de imprensa

O repórter Saber al-Haidari, que trabalhava para a emissora estatal japonesa NHK, morreu quando seu carro explodiu, na quarta-feira (15), em Áden. Ele tinha 42 anos.

A forte explosão da bomba que foi colocada no veículo do jornalista também matou outras duas pessoas não identificadas que viajam com ele e deixou uma terceira ferida, segundo informações do grupo regional Gulf Center for Human Rights (GCHR).

Jornalista morto por bomba trabalhou no governo do Iêmen

O Iêmen está guerra desde 2014, e o jornalismo livre vem sendo cada vez mais reprimido. 

Segundo a organização Repórteres Sem Fronteiras, a divisão do país em áreas controladas pelos rebeldes Houthi, o chamado governo legítimo, e os separatistas do sul exacerbou as perseguições. mídia. Até o fim do ano passado, pelo menos 19 jornalistas foram assassinados. 

Saber al-Haidari dirigia o carro na cidade portuária do distrito de al-Mansoura, na província de Áden, quando houve a explosão. 

Anteriormente, o jornalista trabalhou no departamento de relações públicas do Ministério da Informação do governo iemenita, de acordo com reportagem da rede árabe com sede no Reino Unido Al Araby.

O grupo Gulf Center for Human Rights condenou o atentado contra o profissional de mídia, em um caso que não é isolado nem incomum no país.

“O GCHR está preocupado com os ataques contínuos à liberdade de expressão no Iêmen por todos os lados, incluindo a prisão de jornalistas, alguns dos quais enfrentam a pena de morte por seu trabalho e o assassinato de jornalistas com carros-bomba.

Pedimos a libertação imediata e incondicional de todos os jornalistas detidos no Iêmen, o fim imediato de seus assassinatos e que os responsáveis ​​sejam responsabilizados.”

Leia também

Al Jazeera nega que repórter morta por soldados israelenses tenha sido vítima de fogo cruzado

Shireen Abu Akleh, jornalista da Al Jazeera morta na Palestina

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) também protestou contra o assassinato a bomba do jornalista no Iêmen.

Justin Shilad, pesquisador sênior do CPJ para Oriente Médio e Norte da África, cobrou que as autoridades do país parem de atacar os profissionais de imprensa, enquanto a comunidade internacional deve se posicionar contra esses tipos de atentados.

“O assassinato do jornalista Saber al-Haidari em Aden mostra o custo do silêncio da comunidade internacional sobre a liberdade de imprensa no Iêmen e como os jornalistas continuam pagando o preço.”

O Sindicato dos Jornalistas do Iêmen lamentou a morte do profissional, e lembrou que repórteres de meios de comunicação estrangeiros são um “alvo contínuo” de atentados em Áden.

“[Jornalistas] são alvo de campanhas deliberadas de incitamento contra que leva à repetição de tais crimes terroristas, e nesta ocasião reafirmamos a necessidade de prover proteção para todos os colegas que trabalham no jornalismo.”

Morte de jornalista repete padrão no Iêmen

O CPJ ainda acrescentou que a morte de Al-Haidari faz parte de um padrão de jornalistas visados ​​no Iêmen, particularmente em Áden, onde a repórter Rasha al-Harazi foi morta em um carro-bomba em novembro do ano passado. Ela tinha 27 anos e estava grávida de nove meses.

A jornalista estava acompanhada do marido, o também jornalista Mahoud al-Atmi, que ficou gravemente ferido na explosão.

Após o atentado, ele sinalizou que ataque partiu de rebeldes Houthi apoiados pelo Irã, mas, na época, nenhum grupo reivindicou autoria, segundo a Associated Press.

A província de Áden está sob o controle do Conselho de Transição do Sul, apoiado pelos Emirados Árabes Unidos, segundo o GCHR.

O CPJ confirma que jornalistas de todo o país enfrentam riscos crescentes, com pouco recursos da justiça em meio ao colapso da lei e da ordem no Iêmen.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU formou um órgão de investigação para documentar de forma independente os abusos de direitos humanos no país durante o conflito, incluindo ataques a jornalistas, mas o conselho decidiu em votação encerrar o mandato do órgão em outubro de 2021, de acordo com o comitê.

O Iêmen é um dos piores países do mundo para a liberdade de imprensa, e foi classificado em 169º lugar na avaliação de 180 países feita pela organização Repórteres sem Fronteiras (RSF) neste ano — a mesma colocação de 2021.

A RSF destaca que fornecer notícias de forma independente no país é difícil, pois a mídia é controlada pelas várias partes do conflito e os riscos de mortes por carros-bombas são grandes:

“Há poucos repórteres estrangeiros no local. Onde quer que estejam, os jornalistas são observados de perto e podem ser presos por suas postagens nas redes sociais.”

“As milícias os submetem à violência e abusos, e jornalistas correm o risco de serem alvos de ameaças de morte, assassinatos ou bombardeios.”

Leia também

Rússia veta entrada de 49 britânicos no país, incluindo jornalistas dos principais veículos

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.