Londres – A surfista Maya Gabeira, reconhecida no Brasil e no mundo por sua coragem ao enfrentar ondas gigantes, emprestará sua popularidade à Unesco para defender uma causa perfeitamente alinhada à sua história profissional: a defesa dos mares.

Na abertura da Conferência dos Oceanos da ONU, que aconteceu nesta segunda~feira (27) em Lisboa, a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, nomeou a atleta brasileira para o cargo de “Defensora da UNESCO para o Oceano e a Juventude”.

“Somos filhos do oceano, e é hora de proteger e restaurar sua saúde para as próximas gerações. Para ter sucesso, precisamos de personalidades inspiradoras e comprometidas que nos ajudem a aumentar a conscientização sobre sustentabilidade com os cidadãos de todo o mundo”, disse Azulay.

Trajetória de Maya Gabeira elogiada pela Unesco

A diretora da Unesco elogiou a trajetória de Maya Gabeira, destacando que “tem uma formação excepcional, é uma atleta inspiradora que se levou ao limite e é defensora do meio ambiente”.

Maya se disse preocupada com os problemas que afetam os oceanos, desde a poluição marinha até a destruição da biodiversidade.

“O que me atrai para o papel de Campeã da Unesco para o Oceano e a Juventude é a oportunidade de ver o oceano através de uma infinidade de perspectivas”.

Maya Gabeira, que atualmente detém o recorde de maior onda já surfada por uma mulher, terá um papel ativo na promoção da defesa da Unesco em questões de sustentabilidade oceânica, segundo a organização. 

Ela trabalhará na mobilização das novas gerações, organizando cúpulas de jovens sobre sustentabilidade oceânica e atuando como porta-voz principal da Gen Ocean, a nova campanha da Unesco para promover mudanças no estilo de vida.

Leia também 

Apocalipse do planeta: cientistas mantêm o ‘Doomsday Clock’ a 100 segundos para a meia-noite

relógio apocalipse mudança climática aquecimento global

Maya Gabeira cresceu em uma família engajada com o meio ambiente e compreendeu a importância das questões climáticas desde cedo. Ela começou a surfar aos 13 anos e se tornou profissional aos 17 anos.

A brasileira ganhou o Billabong XXL Global Big Wave Awards por cinco anos consecutivos. O ponto alto de sua carreira veio em 2020, quando quebrou o recorde mundial do Guinness para a maior onda já surfada por uma mulher, com 22,4 metros.

Ao nomear a surfista brasileira, a Unesco destacou que após 15 anos em estreito contato com o oceano, Maya Gabeira testemunhou em primeira mão o impacto das mudanças climáticas no mundo marinho. 

E salientou o histórico de liderança de campanhas ativistas bem-sucedidas, como o apoio a uma campanha contra o uso de plástico no Brasil. 

“Ela trará essa experiência para ajudar a alcançar as metas climáticas da Unesco”, disse a instituição.

Maya Gabeira bateu recorde em Portugal 

O anúncio de Maya Gabeira como embaixadora da Boa Vontade da Unesco na capital portuguesa foi uma coincidência.

A surfista ficou célebre ao desafiar as ondas gigantes da praia de Nazaré, em Portugal, onde também sofreu um grave acidente em 2013. 

Ao integrar a lista de celebridades globais, Gabeira junta-se a outros brasileiros que também são embaixadores da Boa Vontade da Unesco, como o artista plástico Vix Muniz, o publicitário Nizan Guanaes e a ex-jogadora de vôlei Jacqueline Silva. 

O engajamento de Maya Gabeira em causas sociais é herança de família. Seu pai, o jornalista Fernando Gabeira, tem uma longa trajetória política, de exilado durante o governo militar a deputado federal por quatro mandatos, pelo Partido Verde. 

Maya Gabeira terá como missão ajudar a promover as metas da Unesco, que incluem um novo programa global para garantir que comunidades costeiras estejam “Prontas para Tsunami” até 2030.

O treinamento da Unesco para as comunidades mais afetadas é parte dos projetos da Década das Nações Unidas da Ciência do Oceano para o Desenvolvimento Sustentável.

A  iniciativa é eficaz para a detecção rápida de tsunamis. Cerca de 40 comunidades foram capacitadas em 21 países das regiões do Caribe, do Pacífico e do Oceano Índico.

Leia também

Opinião | Seis meses após COP-26, nações não avançaram em compromissos – e mídia deve cobrar mais

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.