A má fase vivida pela CNN deve refletir no lucro anual da empresa, segundo projeções da agência de classificação de risco S&P Global Market Intelligence.

A emissora americana está em crise desde o escândalo que culminou com a saída de um dos seus principais apresentadores, Chris Cuomo, no final do ano passado. A demissão do jornalista foi apenas o começo de uma série de mudanças que abalaram as estruturas do canal.

Pela primeira vez em seis anos, a CNN deve lucrar menos de US$ 1 bilhão, refletindo a perda de audiência e os investimentos na plataforma de streaming CNN+, encerrada antes de completar o primeiro mês de existência.


CNN estimava lucro de US$ 1,1 bi em 2022

As projeções da S&P foram obtidas pelo jornal The New York Times (NYT). Segundo a agência, o lucro da CNN para 2022 é estimado em US$ 956,8 milhões — inferior à meta inicial da empresa de US$ 1,1 bilhão.

Se o valor for confirmado, três fontes do NYT afirmaram que a emissora terá um faturamento abaixo de US$ 1 bilhão pela primeira vez desde 2016.

As perdas financeiros caminham juntas com as de audiência: a CNN está perdendo telespectadores. Sua grande aposta para reverter isso foi encerrada após a fusão da WarnerMedia (empresa-mãe do canal) com a Discovery, em abril.

Lançado semanas antes de o negócio ser concluído, o streaming CNN+ desagradou os executivos da Warner Bros. Discovery (WBD). O plano original era que a plataforma se tornasse lucrativa em quatro anos, com investimento de US$ 1 bilhão no serviço.


Mas a proposta de veicular um conteúdo mais leve e para além do jornalismo não foi bem aceita pelos novos donos do canal a cabo. Com a baixa audiência registrada desde a estreia, o CEO da CNN, Chris Licht, comunicou o fim do CNN+ no final de abril.

Licht, que na época ainda não tinha assumido oficialmente o cargo de chefe da emissora, tranquilizou os funcionários e disse que não era preciso se preocupar com audiência.

No entanto, agora a falta de telespectadores e de perspectivas em como reverter isso preocupam o CEO e demais executivos da CNN. 

Licht foi indicado para o cargo depois da saída de Jeff Zucker, em fevereiro. Ele pediu demissão ao revelar um relacionamento secreto que mantinha com a vice-presidente executiva e diretora de marketing da emissora, Allison Gollust. Ela também renunciou.

Ambas as saídas resultaram de uma investigação interna que começou quando o âncora do horário nobre Chris Cuomo foi demitido em dezembro passado.

Na ocasião, a WarnerMedia disse que uma investigação encontrou “violações das políticas da empresa, incluindo os padrões e práticas de notícias da CNN, por Jeff Zucker, Allison Gollust e Chris Cuomo”.

A empresa não detalhou as violações, mas o envolvimento dos três em um suposto aconselhamento indevido ao ex-governador de Nova York Andrew Cuomo — irmão de Chris — , investigado por assédio sexual, é apontado como o motivo da CNN desligá-los.

Somado a isso, o NYT revelou que a saída do âncora-estrela foi acelerada após chegar à emissora uma denúncia anônima de agressão sexual feita por uma ex-colega de Chris quando eles trabalharam na ABC News, em 2011.

Com a imagem da CNN extremamente arranhada, Chris Licht chegou à emissora com a missão de arrumar a casa. O fim antecipado do CNN+, porém, atrapalhou seus planos. 

Novo CEO minimizou métricas de audiência

Em sua primeira reunião com os funcionários da CNN, Chris Licht surpreendeu ao dizer que a emissora não iria mais “ficar presa” aos números de audiência.

O CEO disse que a CNN aumentaria sua receita ao apresentar aos anunciantes sua “marca pura”, não apenas o tamanho de seu público, de acordo com uma gravação obtida pelo NYT.

Ao jornal, um porta-voz da empresa disse que, agora, Licht ajustou o foco e tem o objetivo de expandir o alcance da TV a cabo nos EUA.

O executivo ainda não colocou sua marca na programação da rede e projeta que os lucros aumentarão em 2023, disse o representante da CNN.

Chris Licht, CEO da CNN (Reprodução)

As audiências da emissoras fechadas americanas estão em declínio de forma geral desde a saída de Donald Trump da Casa Branca, mas a queda da CNN é mais aguda.

A emissora registrou no primeiro trimestre deste ano média de 639 mil telespectadores no horário nobre — uma queda de 27% em relação ao mesmo período de 2021, segundo dados da Nielsen.

A CNN fica atrás da MSNBC, que perdeu 23% em audiência no horário nobre nos primeiros três meses do ano, e da Fox News, que cresceu 1% no número de telespectadores. 

Junto com a queda da audiência, veio o aumento dos gastos com a guerra na Ucrânia. Duas fontes disseram ao NYT que a CNN investiu milhões na cobertura in loco.

E ainda paga alguns custos associados ao CNN+, como os salários de jornalistas renomados contratados exclusivamente para o streaming e que seguem no quadro de funcionários, embora a maioria sem função definida até o momento.

Agora, o canal busca novas receitas. Segundo o NYT, o CEO contratou o antigo colega Chris Marlin para ajudá-lo nisso. Sem experiência em televisão, Marlin chegou com ideias e, também, cortes.

No mês passado, os funcionários da CNN receberam uma política revisada de viagens e despesas que, entre outras coisas, restringe os gastos em celebrações de trabalho para vice-presidentes e cargos abaixo para US$ 50 por pessoa.

No jornalismo, a economia também está sendo feita. A emissora não terá equipes cobrindo os eventos sediados nos EUA para o Jubileu de Platina da rainha Elizabeth II.

Executivos da WBD ainda buscam economizar US$ 3 bilhões. Licht, em outra reunião com os funcionários, em maio, disse que não deveria haver demissões na emissora após o fechamento do serviço de streaming. 

“Ninguém me disse: ‘Você vai ter que cortar isso'”, disse o CEO da CNN, de acordo com a gravação obtida pelo NYT. “Acho que há uma compreensão aguda de que eles não conhecem nosso negócio.”