Um juiz federal dos Estados Unidos (EUA) bloqueou na quarta-feira (30) uma nova lei estadual da Flórida que estabelece multa a gigantes das redes sociais como Facebook e Twitter, se estas plataformas banirem ou bloquearem posts de candidatos em suas plataformas.

O juiz distrital Robert Hinkle emitiu uma liminar a favor dos grupos da indústria online NetChoice e da Computer & Communications Industry Association, que entraram com o processo contestando a medida proposta pelo governador Ron DeSantis e aprovada pelos legisladores locais.

Sendo uma liminar, a decisão é passível de recurso.

Leia também: Facebook suspende Trump por dois anos e anuncia novo protocolo para “casos excepcionais” como o do ex-presidente

DeSantis, um aliado próximo do ex-presidente Donald Trump, ajudou na repressão às redes sociais depois que Twitter e Facebook bloquearam Trump de suas plataformas após seus partidários invadirem o Capitólio, em 6 de janeiro.

O ex-presidente já manifestou seu desejo de ser candidato novamente. Trump possui um resort em Palm Beach, no estado, que se tornou sua residência após a derrota nas últimas eleições presidenciais.

Primeira Emenda da Constituição nos EUA é pilar da discussão

“A legislação em questão foi um esforço para controlar os provedores de mídia social considerados grandes e liberais demais”, escreveu Hinkle. O juiz anda classificou a lei como “crivada de imprecisão e ambiguidade”.

Os grupos da indústria de tecnologia buscaram uma liminar para bloquear a entrada em vigor da lei, argumentando que a medida viola a Constituição e direitos de empresas privadas, e prejudicaria a capacidade destas redes sociais de moderar conteúdo em suas plataformas.

A Primeira Emenda da Constituição dos EUA assegura a liberdade de expressão e de imprensa, proibindo o Congresso de formular leis que restrinjam este direito.

Leia também:  Fracasso de audiência do blog de Trump levanta dúvidas sobre planos para rede social própria

Os advogados do Estado da Flórida sustentaram que as plataformas de mídia social estão se engajando na censura e violando os direitos de expressão dos usuários. O juiz afirmou, porém, que a concentração de mercado não é uma justificativa para mudar a interpretação da Constituição americana.

Lei mira exclusivamente grandes redes sociais, aponta juiz

Hinkle apontou ainda que a lei considera apenas grandes empresas, aplicando-se a plataformas que têm receita bruta anual de mais de US$ 100 milhões (R$ 500 milhões) ou têm pelo menos 100 milhões de “participantes” individuais mensais em todo o mundo, como Twitter, Facebook e YouTube.

Segundo a lei, as empresas que removerem candidatos políticos das plataformas podem enfrentar multas de US$ 250. mil por dia para candidatos estaduais e US$ 25 mil por dia para outros candidatos.

Ex-presidente Trump chegou a lançar blog, mas abortou o projeto um mês depois

A nova lei inclui ainda uma disposição que protege os operadores de parques temáticos das restrições. A Flórida é lar dos parques da Disney e do Sea World, entre outros grandes destinos turísticos.

Facebook detalhou protocolo após banir Trump

A punição do Facebook a Donald Trump foi aplicada conforme o novo protocolo adotado pela rede social para “casos excepcionais”. A nova política aplica-se especificamente ao comportamento de pessoas públicas durante períodos de violência ou insurreição.

Pelas regras, serão feitas suspensões periódicas, começando por um mês e podendo chegar a dois anos, com avaliação do quadro por experts para definir os passos seguintes. 

Antes do episódio com o ex-presidente, a empresa se posicionava contra tratamento diferente para autoridades públicas.

Executivos rede social, incluindo o CEO Mark Zuckerberg, costumavam argumentar que o discurso político já é o mais escrutinado do mundo e que as empresas privadas não deveriam censurar o que os políticos dizem aos seus cidadãos.

Ao final de dois anos do banimento de Trump, a rede social vai avaliar com ajuda de especialistas se o risco para a segurança pública diminuiu. Se julgar que ainda há riscos, Trump pode continuar fora do Facebook por mais tempo até que a ameaça diminua. 

Leia também

Repórteres da CNN e Washington Post espionados por Trump inspiram lei para proibir a prática nos EUA

 

https://mediatalks.uol.com.br/2021/06/30/sites-investigativos-aticam-perseguicao-de-putin-a-imprensa/

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.