Em 7 de dezembro de 2021, a Organização Mundial da Saúde (OMS) atualizou seu guia sobre terapias para a Covid-19.

“A evidência atual mostra que o plasma convalescente não melhora a sobrevivência ou reduz a necessidade de ventilação mecânica, embora tenha custos significativos”, diz uma  declaração recomendando a abstenção de transfusões de plasma filtrado do sangue de pessoas que se recuperaram da Covid-19.

Isso aconteceu após meses de inúmeras manchetes bombásticas na mídia, promessas infundadas e exageros, mesmo divulgados por médicos e cientistas sem evidências sólidas de sua eficácia.

Jornalistas e covid na América Latina

Não existe um único país onde isso não tenha ocorrido. Mas isso aconteceu especialmente na América Latina.

Em meio à confusão e à incerteza impulsionadas pelo avanço desenfreado do SARS-CoV-2 e ao aumento do número de mortes, este tratamento experimental foi vendido por governos, pesquisadores e por alguns veículos de comunicação a partir dos primeiros meses de 2020 como a grande esperança de enfrentar uma doença desconcertante.

“A pandemia tornou visível o risco de exagerar os benefícios de tratamentos que ainda estão em desenvolvimento”, diz a jornalista científica argentina Valeria Román.

“Com a justificativa de que havia uma emergência de saúde pública e levando em consideração o que a concorrência estava fazendo, havia meios de comunicação e jornalistas que inflacionavam intervenções em saúde que ainda não tinham evidências de segurança ou eficácia para a Covid-19, como plasma convalescente, hidroxicloroquina, ivermectina, dióxido de cloro ou ibuprofeno inalado.”

Exageros de jornalistas e público sobre o coronavírus

Tanto dentro quanto fora do mundo jornalístico, essa promoção excessiva e exageros inadequados da importância ou valor potencial de um determinado estudo, tratamento, medicamento ou área da ciência tem um nome específico: ‘hype‘.

É um fenômeno caracterizado por um abuso do discurso hiperbólico – com expressões como “milagre”, “cura”, “descoberta”, “mudança de jogo”, “mudança de paradigma”, “droga milagrosa” – e a abundância de promessas de uma “revolução ao virar da esquina”.

O hype tem sido uma constante na cobertura do Projeto Genoma Humano desde o início dos anos 1990 e persiste até hoje com a técnica CRISPR de edição de genes, que vem despertando velhos e novos sonhos.

Leia mais

Análise | Estamos mesmo vivendo uma “infodemia” na Covid-19? A ciência sugere outra coisa

No entanto, como em muitas outras áreas, poucas das grandes transformações prometidas foram realizadas.

E a badalação continua, ampliada pelo clickbait, a necessidade de atrair a atenção de leitores e políticos e em por  novo ecossistema de mídia caracterizado por um ciclo de notícias de 24 horas.

Excessos em torno da covid não apenas entre jornalistas  

Praticamente nenhuma área científica escapa a esses exageros e abusos de superlativos.

Eles são encontrados na cobertura da mídia e em pesquisas em inteligência artificial (IA), neurociência, nanotecnologia, computação quântica, pesquisa sobre câncer, medicina personalizada, terapias com células-tronco ou exploração espacial, entre muitas outras.

Exageros não são comuns apenas em artigos de jornais. Em vez disso, estão presentes em toda a cadeia de produção científica: em bolsas de pesquisa, em publicações revisadas por pares, em comunicados de imprensa institucionais , em discursos de políticos e na comercialização associada de um novo produto (por exemplo, um novo medicamento).

Francis Collins, que foi o diretor do Projeto Genoma Humano, chamou a iniciativa de “o esforço científico organizado mais importante que a humanidade já tentou. Ir para a lua parece pequeno.”

Leia também

O perigo de ativistas antivacina como Piers Corbyn, inimigo número 1 da Covid no Reino Unido

Como aponta o pesquisador canadense Timothy Caulfield, o hype científico é um fenômeno complexo que envolve muitos atores e tem inúmeras fontes:

“É, pelo menos em certa medida, o resultado de pressões sistêmicas embutidas nos incentivos atuais associados à pesquisa biomédica”, explica o especialista em ética jurídica, política e científica da Universidade de Alberta.

“De certa forma, pode-se argumentar que é uma parte natural do processo de pesquisa.

Entusiasmo e previsões otimistas de aplicações em um futuro próximo são necessários para mobilizar o comunidade científica e financiadores em potencial, públicos e privados.

E, claro, a imprensa popular é, em sua essência, uma indústria do entretenimento com o objetivo de tornar as histórias de saúde e pesquisa envolventes e legíveis.”

Impacto do hype por parte de jornalistas a respeito da covid

O hype, na verdade, não é novo. Há evidências de que o fenômeno está se intensificando e tendo um impacto mais prejudicial do que no passado. Estudos recentes mostram um rebote no uso da fala hiperbólica nas últimas décadas.

Um artigo de 2015 descobriu que muitos pesquisadores estão promovendo seu trabalho de forma mais agressiva à medida que o financiamento diminui e a competição por bolsas e fama aumenta.

Os psiquiatras holandeses Christiaan Vinkers, Joeri Tijdink e Willem Otte descobriram que palavras como “romance”, “inovador”, “incrível”, “único” e “sem precedentes” tornaram-se mais frequentes nos resumos de artigos biomédicos publicados nos últimos 40 anos.

“Os cientistas presumem que os resultados e suas implicações devem ser exagerados para serem publicados”, observam os autores.

Leia também

Resposta falha à Covid faz Brasil perder US$ 93 bilhões no valor da marca nacional, estima consultoria global

Exageros na América Latina

“Em um momento de tanta incerteza e tristeza pelos milhares de mortos na região, as pessoas querem encontrar um refúgio de otimismo em certos anúncios sobre possíveis curas e descobertas médicas”, disse a jornalista investigativa Nelly Luna Amancio, do Peru.

“Mas o jornalismo, precisamente, tem uma tarefa difícil, mas necessária: colocar pano frio nesse entusiasmo. O bom jornalismo deve investigar o que está por trás e trazer à realidade o impacto real dessas alegadas descobertas, muitas vezes impulsionadas por partes interessadas, uma empresa farmacêutica, um centro de pesquisa ou mesmo um governo.”

Isso é precisamente o que a jornalista científica americana Brooke Borel comentou em um artigo publicado no The Guardian em 2015:

“Jornalistas científicos podem escrever sobre ciência, mas também é nosso trabalho olhar além de maravilhas, hipóteses e dados.

É olhar para as pessoas que fazem ciência e se elas têm conflitos de interesse, ou rastrear de onde vem seu dinheiro. É olhar para as estruturas de poder, para ver quem está incluído no trabalho e quem está excluído ou marginalizado.

Terreno fértil para distorções

Exemplos de hype na região são abundantes. Na Argentina, o governo, médicos, canais de TV e sites de notícias exageraram os benefícios do plasma convalescente e de uma soroterapia hiperimune eqüina para COVID-19 desenvolvida localmente.

Na Colômbia, a Ministra da Ciência, Mabel Torres, fez uma promessa infundada de desenvolver medicamentos a partir de plantas para tratar COVID-19.

Os benefícios dos ventiladores mecânicos locaistambém foram exagerados e até os médicos garantiram que o coronavírus logo “enfraqueceria“.

“Uma lição que a pandemia deixa é que o problema do exagero nas notícias não se limita aos jornalistas, embora sejamos nós que o engrandecemos”, comenta o jornalista científico colombiano Pablo Correa.

“Pseudociência e exagero também sobrevivem dentro das mesmas comunidades médicas e, nesse sentido, quando a proclamação da eficácia de um tratamento vem de alguém com formação acadêmica, é muito fácil para a mídia replicá-lo sem questionar.

O caso do plasma convalescente, ventiladores mecânicos locais ou medicamentos fitoterápicos para tratar COVID-19 são exemplos recentes desse fenômeno que não começa nem termina no erro dos jornalistas, mas se estende a comunidades médicas menos rigorosas.”

Leia também

Pesquisa global mostra que brasileiros confiam mais na imprensa do que no governo para se informar sobre a Covid-19

Tratamentos contra a covid-19

Algo semelhante aconteceu no Peru, onde terapias não comprovadas para tratar pacientes com COVID-19, como ivermectina , hidroxicloroquina e dióxido de cloro, receberam grande atenção da mídia, geralmente positiva.

“Havia profissionais de saúde renomados defendendo seu uso com base em dados incompletos ou com base em sua experiência de uso para outras doenças”, diz Bruno Ortiz, jornalista de ciência e tecnologia do jornal El Comercio (Peru).

O jornalismo científico e de saúde é um terreno fértil para a proliferação dessas promessas exageradas e distorções.

“Um dos fatores é o treinamento ainda limitado que os diretores e editores de mídia têm para identificar se um potencial tratamento tem verdadeira eficácia e segurança e para avaliar os números relacionados a benefícios e riscos”, alerta Román, jornalista do Infobae, cofundador da Rede Argentina de Jornalismo Científico e ex-vice-presidente da Federação Mundial de Jornalistas Científicos.

A responsabilidade de jornalistas e editores é com o público

Muitos meios de comunicação aumentam as manchetes e os tweets na busca constante por cliques, com o desejo de ganhar audiência.

“De vez em quando ouvimos uma nova ‘cura para o câncer’ para verificar no texto algumas linhas abaixo que se trata de um achado experimental ou que um medicamento foi testado em ratos”, indica o jornalista científico mexicano Iván Carrillo.

“A responsabilidade de jornalistas e editores é com o público, mas muitas vezes vence a vontade de cliques. Procuram ter um impacto quantitativo e não qualitativo sem perceber que é o segundo que vai garantir a atenção dos públicos e, portanto, um modelo de negócio sustentável.”

As empresas de mídia de notícias também estão aproveitando o desespero causado pela pandemia.

“As pessoas ainda esperam por uma cura extraordinária, a pílula mágica, a poção secreta que nos livrará de nossos males”, diz Ortiz. “Muitos meios de comunicação estão cientes disso e preferem o benefício próprio em vez do benefício coletivo.

Cobertura da covid-19

Por isso, é comum constatar que os meios de comunicação que cobrem a temática da saúde sem contar com jornalistas especializados apelam ao exagero para gerar maior audiência.

O efeito desse comportamento é incutir nas pessoas ideias imprecisas, incompletas e às vezes até incorretas sobre certos tópicos que, a longo prazo, levam à tomada de decisões de saúde precárias ”.

Em vez de investir na qualidade da informação, reportagens aprofundadas ou contratação de jornalistas especializados, em países como o México a maior parte da mídia nacional continua apostando na colheita de gostos para atrair anunciantes e demonstrar o impacto de seu conteúdo.

“Sabemos que o medo e a esperança vendem e ainda mais em tempos de incerteza”, acrescenta Carrillo. “Jornalistas e editores têm responsabilidade social, mas não há controle sobre suas ações.”

O hype e outras injeções de hipérboles e promessas bombásticas de benefícios não tão distantes não são inócuas. Como as previsões prometidas não são cumpridas, essas distorções da mídia e anúncios inchados podem corroer a confiança do público e o apoio à ciência.

Ou ter um impacto negativo na maneira como as pessoas pensam que a pesquisa científica é feita ou como doenças infecciosas como COVID-19 ou HIV / AIDS são tratadas.

covid-19 ou HIV

Por exemplo, foi o que aconteceu nos países latino-americanos com anúncios governamentais e artigos de jornais com tom chauvinista sobre vacinas nacionais contra o coronavírus que deram em nada ou com futuro incerto.

“No Peru, desde o início da pandemia, foi promovida uma suposta vacina nasal peruana contra COVID-19, que se revelou uma fraude”, lembra a jornalista de saúde Fabiola Torres.

“Os pesquisadores foram entrevistados no rádio e na televisão e chegaram a estabelecer uma data para o lançamento de sua vacina no mercado: julho de 2021.

Quando investigamos o assunto em nosso site Salud con Lupa, constatamos que o projeto da vacina peruana tinha apenas concluído testes em animais.”

Projetos de vacinas locais como a vacina “ARVAC Cecilia Grierson” (Argentina) e a vacina “Patria” (México) também geraram manchetes bombásticas na mídia e especialmente nas instituições que os promovem e que apelaram em seus artigos institucionais a palavras e frases cheias de nacionalismo como “orgulho” e “soberania”.

Hábitos e costumes

O fenômeno é amplificado pelo hábito de muitos jornalistas de copiar e colar comunicados, o que em muitos casos responde à falta de jornalistas especializados em ciência e saúde nas redações.

“Por não estarem preparados, muitos meios de comunicação dependem quase exclusivamente de comunicados de imprensa e de alguns cientistas”, alerta a jornalista científica argentina Andrea Gentil.

“Soma-se a isso certos ‘hábitos e costumes’ do jornalismo, como aquele que afirma que as notícias que impactam são as que chamam a atenção. Além disso, editores e escritores não especializados não têm a formação necessária para alertar como o exagero pode ser prejudicial para o público, ao gerar expectativas que carecem totalmente de base científica.”

Os exageros também são típicos do que é conhecido como “jornalismo científico de torcida“, que celebra cegamente qualquer descoberta ou papel. Principalmente se for de cientistas do mesmo país.

“Tenho a impressão de que certos jornalistas não têm o mesmo olhar crítico que se tem quando o governo anuncia algo, como quando o anúncio é feito, por exemplo, por uma Big Pharma”, diz Luna, cofundadora do site de notícias Ojo Público.

Os efeitos prejudiciais do hype

“Para este último, muitos meios de comunicação tendem a acreditar em tudo e reproduzir exatamente o que é dito no comunicado que enviam, sem analisar os óbvios interesses econômicos por trás dessas supostas ‘novas descobertas’.

A discussão em torno do avanço e desenvolvimento de vacinas contra COVID-19, de medicamentos e tratamentos contra essa doença, por exemplo, mostra como essas empresas têm promovido estratégias de informação para estender e ampliar seus achados para a mídia e que estas sejam replicadas sem necessariamente serem contrastadas.

É provável que esse tipo de cobertura frouxa seja também uma das causas da tremenda desconfiança que as pessoas sentem em relação à mídia em geral.”

O hype pode ter consequências mais pesadas.

“Por exemplo, a confusão do público, que acaba sendo um terreno fértil para a desinformação e a desconfiança de alguns na ciência”, diz a jornalista científica costarriquenha Debbie Ponchner.

Leia também 

Combate à desinformação científica passa pelos apps de mensagens, aponta estudo britânico

Expectativas

Também pode criar mal-entendidos entre os leitores, expectativas irrealistas do benefício de drogas experimentais e tratamentos para pacientes, desinformar e acelerar o marketing e o uso de terapias não comprovadas.

“O problema é que essas distorções geram ansiedade nas plateias, principalmente nas pessoas com COVID-19 ou em seus familiares”, diz Román, que publicou um artigo que levou cinco meses de pesquisa para explicar quais considerações devem ser levadas em conta quando um médico oferece um medicamento ou tratamento não comprovado.

Para não incorrer em falsas esperanças, é fundamental que os meios de comunicação contratem jornalistas especializados.

“Profissionais com uma dose adequada de ceticismo e outra de conhecimento sobre a forma de validação do conhecimento científico”, diz Correa.

Outro conselho importante é contextualizar as informações.

“Sempre apresente o quadro geral”, diz Ponchner, ex-editor da Scientific American En Español. “Mostre as evidências científicas disponíveis e deixe claro para o leitor se essas descobertas são feitas em um estudo pré-clínico ou clínico.

É importante apresentar os achados como um processo evolutivo, para que fique sempre claro o que ainda está por ser determinado, quais são os próximos passos nessa linha de pesquisa, o que pode dar certo e o que pode dar errado.”

Verdadeira dimensão

“Esta tem sido uma das tarefas mais difíceis nestes dois anos de pandemia”, disse Luna.

“Não apenas porque tivemos que enfrentar a desinformação e a negação, mas também porque muitos grandes meios de comunicação, como a televisão, deram espaço a desinformadores e exageraram esses anúncios de novos tratamentos ou descobertas em um esforço para ganhar cliques e classificações.”

Recomenda-se também evitar o uso de certas palavras: “‘Promissor,’ ‘revolucionário’, ‘a solução’, ‘a descoberta do século’, são conceitos que nunca devem ser incluídos em um artigo sobre saúde ou ciência”, diz Gentil.

“Porque a própria ciência é marcada pela incerteza. Isso não implica que jornalistas e editores não possam enfatizar a importância de um determinado estudo ou de uma determinada realização, mas sempre mantendo a prudência.

Redução de riscos

O que hoje pode parecer ‘maravilhoso’ à primeira vista em meses ou anos pode se tornar um beco sem saída, uma hipótese que não pôde ser verificada ou mesmo uma publicação que foi maculada por práticas fraudulentas ou mesmo por erros metodológicos.”

Para reduzir o risco de exagero, é particularmente necessário consultar as evidências disponíveis.

“Devemos investigar se cada intervenção tem um papel sólido para apoiá-la”, recomenda Román, e considerar o quão grande é a amostra de um estudo.

E também sempre com um olhar crítico. Como aponta Carrillo: “Os jornalistas devem questionar a origem dos recursos para a investigação e buscar fontes científicas fora do laboratório para verificar a confiabilidade das investigações.”

Como jornalistas, o maior compromisso é sempre com os leitores, com o público. Principalmente quando se trata de questões delicadas como saúde.


Este artigo foi publicado originalmente na LatAm Journalism Review, um projeto do Knight Center Para o jornalismo nas Américas / Universidade do Texas. Todos os direitos reservados à publicação e ao autor.  

Leia também

Má gestão da covid mostra despreparo do mundo para guerras biológicas, alertam cientistas do Relógio do Apocalipse 

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.