Londres – Sob o argumento de conter a disseminação de fake news sobre a guerra da Ucrânia nas redes sociais, a Casa Branca surpreendeu ao convidar um grupo de influenciadores do TikTok para um briefing sobre a situação, nos moldes do que costuma ser feito com jornalistas dos principais veículos de imprensa do mundo. 

A ideia foi tratada com ironia e tornou-se até objeto de uma sátira no programa de humor Saturday Night Live, que fez um esquete simulando como teria sido o encontro usando estereótipos associados aos influenciadores. 

Pode ser engraçado para alguns, mas a iniciativa do governo da maior potência do planeta evidencia a seriedade com que a rede social chinesa passou a ser tratada depois que bateu o Google em número de acessos em 2021 e deixou de exibir apenas vídeos de dancinhas. 

Casa Branca de olho na imagem dos EUA no TikTok

A videochamada que virou notícia – e piada – aconteceu no dia 10 de março. Funcionários do alto escalão da Casa Branca e do Conselho de Segurança Nacional dos EUA reuniram-se com 30 dos principais influencers americanos do TikTok que “cobrem” a guerra na Ucrânia.

O objetivo foi informá-los sobre os objetivos estratégicos do país na região — uma forma de evitar a disseminação de fake news na rede social e de melhorar a imagem do país. 

Noticiada primeiro pelo jornal Washington Post, a reunião e seus “aprendizados”  foram compartilhados pelos próprios influenciadores no TikTok.

Na apresentação com funcionários do governo e a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, os criadores de conteúdo tiveram uma visão geral das informações mais recentes sobre a Ucrânia e como os EUA se posicionam no conflito.

Eles também tiraram dúvidas sobre a distribuição de doações aos ucranianos, o trabalho com a Otan e como a administração de Joe Biden reagiria a um possível uso russo de armas nucleares.

Leia também

Com Instagram banido na Rússia, influenciadores se despedem de fãs e migram para Telegram

Como o SNL retratou o encontro com os TikTokers 

Dias depois, o Saturday Night Live, um dos shows humorísticos de maior audiência dos EUA, aproveitou a história para um segmento, que somente no YouTube já teve mais quase 2 milhões de visualizações. 

O “Joe Biden” é apresentado como um patético personagem que não entende de computadores. A personagem que interpreta Jen Psaki tenta inutilmente arrancar dos convidados alguma ideia para acabar com a guerra.

Uma TikToker canta uma música para o presidente da Rússia, e o programa segue em tom de piada, apresentando os influenciadores como alienados que apenas cantam, dançam e gostam de animais. 

 

Uma TikToker canta uma música para o presidente da Rússia, e o programa segue em tom de piada, apresentando os influenciadores como alienados que apenas cantam, dançam e gostam de animais. 

Casa Branca percebeu a influência do TikTok 

Nada mais distante do que o TikTok se tornou para essa guerra.

A plataforma continua apresentando vídeos engraçados, mas à medida que a crise na Ucrânia aumentou, a rede social virou uma das principais fontes de informação sobre a guerra, especialmente entre os jovens.

Foi lá que os primeiros vídeos da invasão russa foram compartilhados, mostrando cidadãos ucranianos escondidos em abrigos antiaéreos ou fugindo de suas casas.

Nos EUA e outros países do Ocidente, criadores digitais produziram conteúdo explicativo sobre o conflito na Ucrânia, gerando milhões de visualizações e fornecendo informações sobre a crise para as gerações mais jovens.

Mas a rede social também viu crescer a desinformação e a propaganda financiada pela Rússia contra a Ucrânia e seus aliados no conflito.

No meio dessa “guerra da verdade” dentro da plataforma, as estrelas do TikTok, muitas com milhões de seguidores, têm buscado cada vez mais dar sentido à crise para seus públicos nos EUA.

De olho nesse público ávido por informações e preocupado com a própria construção de imagem do país entre os jovens durante o conflito, o governo de Joe Biden começou a trabalhar com a ONG Geração Z For Change.

O esforço conjunto ajudou a identificar os principais criadores de conteúdo sobre a guerra na Ucrânia no TikTok para organizar a reunião com os funcionários da Casa Branca.

Kahlil Greene, de 21 anos, tem mais de 534 mil mil seguidores na plataforma, por isso, não ficou surpreso quando o convite chegou em sua caixa de entrada de e-mail.

“As pessoas da minha geração obtêm todas as informações pelo TikTok”, disse ele à CBS News. “É o primeiro lugar em que estamos pesquisando novos assuntos e aprendendo sobre as coisas.”

Ele foi um dos que compartilhou o encontro na sede do governo americano, relatando a pergunta que fez e as respostas recebidas, com total seriedade. 

@kahlilgreene

The White House invited content creators to learn more about the crisis in Ukraine. #hiddenhistory #ukraine #blackcommunitytiktok

♬ original sound – Kahlil

Pode não estar vestido como um jornalista de TV ou portar o microfone típico dos repórteres de vídeo, mas sua mensagem atinge um público que cada vez mais se afasta da mídia tradicional. 

TikTok é processado por estados norte-americanos

Enquanto a administração Biden enxerga o potencial do TikTok, coalizão formada por procuradores-gerais de oito estados norte-americanos instaurou um inquérito para apurar danos emocionais às crianças e adolescentes no TikTok.

A ação, anunciada no início do mês, é movida cerca de quatro meses após outra investigação semelhante ser aberta contra a Meta, antigo Facebook.

Anunciado pela procuradoria-geral de Massachusetts, o processo contra o aplicativo chinês quer saber se a empresa está arquitetando e promovendo sua plataforma de maneira prejudicial à saúde física e mental de crianças e adolescentes nos EUA.

“Como crianças e adolescentes já lidam com problemas de ansiedade, pressão social e depressão, não podemos permitir que as mídias sociais prejudiquem ainda mais sua saúde física e bem-estar mental”, disse a procuradora-geral de Massachusetts, Maura Healey, em comunicado divulgado à imprensa em 2 de março.

“Procuradores-gerais estaduais têm o imperativo de proteger os jovens e buscar mais informações sobre como empresas como o TikTok estão influenciando suas vidas diárias.”

Os procuradores-gerais querem entender a fundo quais danos o uso do TikTok podem causar às crianças e adolescentes, e se a empresa sabia desses riscos.

A investigação planeja se concentrar nos métodos e técnicas que o app chinês usa para aumentar o engajamento, atrair usuários jovens a passar mais tempo na plataforma e abrir o aplicativo com frequência.

Leia também

Aplicativo chinês TikTok desbanca Google como domínio mais popular do mundo