O YouTube anunciou nesta quarta-feira (29/9) uma nova política que vai retirar da plataforma vídeos que estejam promovendo notícias falsas ou desinformação sobre quaisquer vacinas já testadas e aprovadas sob consenso médico-científico.

No ano passado, o YouTube implementou a proibição de vídeos com desinformação sobre as vacinas contra a Covid-19, o que fez com que 130 mil posts fossem retirados do ar desde então. A plataforma removeu um total de 1 milhão de vídeos por disseminarem mentiras sobre a doença desde que a pandemia estourou.

O maior portal de exibição de vídeos do mundo afirma que “o conteúdo que alegue falsamente que vacinas aprovadas são perigosas e causam efeitos crônicos à saúde, que as vacinas não reduzem a transmissão ou a contração de doenças ou que contém informações incorretas sobre as substâncias contidas nas vacinas será removido”.

Plataforma enfrenta fake news sobre vacinas após críticas da imprensa

O YouTube afirma que para elaborar suas novas regras em relação a conteúdo sobre vacinas, levou em consideração a análise de organismos internacionais, como a OMS (Organização Mundial da Saúde), e entidades sobre os imunizantes existentes, bem como ouviu especialistas da área da saúde.

A plataforma vinha sendo criticada, especialmente na mídia americana, sobre sua suposta passividade em relação ao combate à desinformação, sempre se mantendo um passo atrás de Facebook e Twitter, o que seria uma estratégia para evitar desgaste de imagem.

Com a regulação mais rígida para banir fake news sobre vacinas, a plataforma se coloca de forma mais firme contra as fake news, e atua num problema mundial da hesitação de parte da população em se vacinar contra a Covid-19. Nos Estados Unidos, mesmo com imunizantes disponíveis, metade da população ainda não completou a vacinação.

Leia mais: Retratado como “acomodado” no combate às fake news, YouTube diz que foco em remoção de conteúdo não basta

Para evitar críticas sobre censura, e manter o que o YouTube destaca como “discussão pública”, há exceções para as regras, numa tentativa de não cercear a liberdade de expressão.

“Continuaremos permitindo conteúdo sobre políticas de vacinas, novos testes de vacinas e sucessos ou fracassos históricos de vacinas no YouTube. Testemunhos pessoais relacionados a vacinas também serão permitidos, desde que o vídeo não viole outras diretrizes da comunidade ou o canal não mostre um padrão de promoção de hesitação à vacina.”

Fake news sobre vacinas vão além da Covid-19

Matt Halprin, o chefe global de confiança e segurança do YouTube, disse que a desinformação sobre imunizantes é um problema global, e acrescentou que fake news sobre vacinas contra sarampo, caxumba e rubéola (MMR), que foi erroneamente atribuída ao autismo, são um exemplo da desinformação que o YouTube terá como alvo.

“Ainda há muitos desafios em torno do MMR e as pessoas discutindo se isso causa autismo. E como sabemos, é muito estável a ciência de que as vacinas não causam autismo ”, disse.

Halprin disse que a proibição também se aplica, por exemplo, a conteúdo que afirma que as vacinas causam câncer, infertilidade ou contêm microchips.

Relacionadas

YouTube havia defendido que “não basta apenas remover vídeos”

Em agosto, diante de questionamentos que se intensificaram após a tomada do Afeganistão pelo Talibã, o YouTube havia se manifestado sobre políticas contra a desinformação, sem anunciar novas regras.

Em texto publicado no blog oficial, a empresa defendeu sua moderação de conteúdo e afirmou que abusos ao remover vídeos devem ser evitados.

Provocado por artigo no jornal The Washington Post, que acusou a empresa de se manter “na sombra” de Facebook e Twitter quando o assunto é se responsabilizar pelo conteúdo exibido, o executivo Neil Mohan, chefe de produto da empresa, detalhou a percepção do YouTube sobre o assunto, defendendo que mais do que remover vídeos, é necessário administrar bem o conteúdo que fica online.

No mesmo mês, na Austrália, a plataforma baniu o cana de TV Sky News por disseminar desinformação sobre o combate à pandemia da Covid-19, num caso que foi associado ao colunista de opinião Alan Jones, crítico de medidas colocadas pelo governo contra o coronavirus.

Leia mais: YouTube bane emissora de TV por uma semana por desinformação sobre Covid-19

TikTok vem ganhando terreno em tempo de permanência de usuários

O reforço na imagem do YouTube, que pertence ao Google, ocorre em um momento em que o TikTok começa a representar uma concorrência real ao gigante de exibição de vídeos.

Análise de mercado da consultoria App Annie mostrou no início do mês que a audiência do TikTok ultrapassou no segundo trimestre o YouTube nos Estados Unidos (EUA) e Reino Unido em tempo médio de vídeos assistidos por seus usuários. 

Em outras praças, com destaque para a Coreia do Sul, o YouTube ainda reina absoluto, chegando a uma média de 40 horas de vídeos assistidos por mês entre usuários sul coreanos.

Em maio, segundo o relatório, o usuário médio passava 24,5 horas por mês no TikTok nos EUA e quase 26 horas mensais no Reino Unido. 

A métrica de tempo gasto da App Annie contabiliza apenas audiência nos telefones Android e não inclui a China, onde o TikTok — conhecido localmente como Douyin — é um dos principais aplicativos.

Leia também

Streaming: TikTok passa YouTube em tempo gasto por usuários nos EUA e no Reino Unido

“Instagram não é tóxico para adolescentes”, diz chefe de pesquisa do Facebook em resposta ao vazamento de estudos