Londres – Uma exposição de fotografias no centro da capital ucraniana, Kiev, está homenageando os profissionais de imprensa mortos e feridos durante a guerra entre a Rússia e a Ucrânia.  

A exibição, que ganhou o nome de “A Guerra Ainda Não Acabou”, foi organizada pelo PEN Club Ucrânia, que faz parte da rede cultural e literária PEN Internacional.

Segundo os organizadores, 33 jornalistas ucranianos e estrangeiros perderam a vida (de acordo com dados do Instituto de Informação em Massa) no conflito, sendo oito a serviço e 25 como combatentes ou em bombardeios ou tortura. E pelo menos mais 13 jornalistas ficaram feridos e pelo menos 15 desapareceram.

Imprensa conscientizou mundo sobre guerra da Ucrânia

A mostra está em cartaz no Parque Taras Shevchenko, em Kiev, reunindo registros fotográficos de  “crimes russos contra a mídia” desde 24 de fevereiro de 2022.

O objetivo é contar como os jornalistas que conscientizam o mundo sobre a guerra da Rússia contra a Ucrânia, foram mortos, feridos, capturados ou perseguidos desde o início da invasão em grande escala.

“São eles que chamam a atenção da comunidade internacional para os acontecimentos na Ucrânia e lembram a todos que a guerra ainda não acabou”, disse o PEN na apresentação.

Participaram da abertura da exposição parentes e profissionais da mídia representando colegas que perderam a vida. Eles contaram sobre o trabalho durante a guerra.

Exposição jornalistas guerra Ucrânia Russia em Kiev PEN club
Jornalistas e parentes de vítimas relataram coragem e sofrimento pelos mortos e feridos

Entre os relatos documentados pelo PEN Ucrânia está o de Anastasiya Blyshchyk, jornalista do canal de TV Ukraine 24.

Ela falou sobre Oleksandr Makhov, seu noivo, jornalista e militar, de 36 anos, morto na região de Kharkiv em 4 de maio de 2022 combatendo por seu país. 

Ele trabalhou por muitos anos para a Ucrânia e Ucrânia 24 canais de TV como correspondente de guerra e cobriu a guerra no leste da Ucrânia. Foi para a zona de combate primeiro como jornalista e se juntou voluntariamente às Forças Armadas da Ucrânia em 2015.

Makhov teve o podcast Voenkor e conduziu sessões de treinamento para correspondentes de guerra. Em outubro de 2021, ele começou a trabalhar para o canal Dom TV.  

“Menos de uma semana antes da invasão russa em larga escala, Oleksandr estava em uma visita a Donbass. Em 24 de fevereiro, ele veio a Kiev, me pegou no trabalho, chegamos em casa e eu disse a ele: ‘Você está cansado, está dirigindo há tanto tempo, descanse, talvez, durma, e amanhã iremos a um escritório militar de registro e alistamento.’

E ele me disse: ‘Bem, você está lendo as notícias, vê que civis estão morrendo, meus amigos estão morrendo, eu não posso fazer isso, não vou adormecer.’

E então fomos ao escritório de alistamento militar. E por 70 dias, ele lutou por todos nós e, além de proteger a todos nós, gravou vídeos em seu celular para seu futuro documentário”.

A correspondente da Radio Liberty, Maryan Kushnir, também falou na abertura da mostra  sobre o trabalho durante a guerra.

Em 11 de março de 2022, ela sofreu uma concussão em um ataque de mísseis russos em Baryshivka, região de Kiev. Nos últimos meses, Kushnir tem trabalhado nas regiões de Kharkiv e Donetsk.

“Estamos perdendo nossos colegas, mas quando fomos à guerra para filmá-la, sabíamos que nem todos retornaríamos. A guerra ainda não acabou, nem todos voltaremos, infelizmente…

Acho que não vale a pena ficar de pé e chorar agora. A guerra vai acabar, vamos perceber, chorar e seguir em frente, continuar praticando nosso jornalismo”.

Colega informou parentes sobre jornalista morto na Ucrânia

Sevgil Musaieva, editora-chefe do site Ukrayinska Pravda, falou sobre seu colega, o jornalista americano Brent Renaud, morto enquanto cobria a guerra em Irpin, região de Kiev, em 13 de março de 2022.

Naquele dia, ele e um colega filmaram a evacuação dos moradores de Irpin. Depois de atravessar um bloqueio, os russos atiraram no carro dos jornalistas. Brent Renaud recebeu um ferimento fatal no pescoço. Seu colega sobreviveu.

“Os jornalistas estão sempre com pressa, eles sempre querem ser os primeiros a relatar algumas notícias.

Mas, no meu caso, foi muito assustador quando liguei às oito horas da manhã, horário de Nova York, para dizer ‘seu ente querido foi morto’. […]

O mundo inteiro verá o filme que Brent fez. Seus colegas, todos nós, fizemos todo o possível para que a produção acontecesse. Acho que ficaremos impressionados com este trabalho.

Esta é uma parte muito importante – para o mundo ver a verdade sobre o que os civis estão passando na Ucrânia”.

O fotojornalista Maks Levin também foi mencionado na cerimônia. O fotógrafo Oleksiy Furman e o diretor Petro Tsymbal contaram a história de seu colega no evento do PEN Club. 

Em 13 de março, Levin e Oleksiy Chernyshov, um militar e ex-fotógrafo, dirigiram até a aldeia de Huta Mezhyhirska, para filmar as consequências da invasão russa.

Eles saíram de um carro e foram em direção à aldeia de Moshchun, após o que a conexão com ambos foi perdida. Em 1o de abril, a polícia encontrou seus corpos.

De acordo com a investigação da Repórteres Sem Fronteiras, ambos os homens teriam sido executados pelos militares russos.

Este ano, o júri do Prêmio Georgy Gongadze concedeu a Maks Levin um prêmio especial “Por uma contribuição excepcional para o desenvolvimento da fotografia ucraniana, devoção à profissão e coragem”.

A exposição fotográfica fica em cartaz até 6 de julho em Kiev. Em seguida, será transferida para Boyarka, a cidade natal do fotojornalista assassinado Maks Levin.

Além do PEN Ucrânia, também fazem parte da organização o  Instituto de Informações em Massa, o Centro de Direitos Humanos ZMINA, o Museu Nacional da Revolução da Dignidade e o Fórum de Mídia de Lviv,  e o Centro de Arte Folclórica e Estudos Culturais da Cidade de Kiev. 

Leia também 

Guerra na Ucrânia não reverteu desinteresse por notícias, revela pesquisa global

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.