Londres – Acostumada a cobrir conflitos e guerras de forma destemida, a jornalista da Christiane Amanpour usou a mesma coragem que a tornou uma das mais celebradas profissionais de imprensa de sua geração para encarar um outro inimigo: o câncer. Na noite desta segunda-feira (14/6) ela anunciou em seu programa diário na CNN que está lutando contra um tumor no ovário.

E usou sua influência global para uma mensagem às mulheres: 

“Ouçam seu corpo.”

No tuíte fixado em sua conta na rede social, em que faz uma retrospectiva de sua carreira, a principal âncora internacional da CNN, de 63 anos, define-se  em poucas palavras: Truthful, not Neutral (Honesta, não neutra). E foi com honestidade que ela contou sobre a doença, juntando-se a outras celebridades que igualmente trataram o problema com transparência e assim ajudaram outras pessoas a tomarem coragem para buscar tratamento. 

De Londres, onde vive, Christiane Amanpour abriu o programa que leva o seu nome com a notícia pessoal sobre seu câncer no ovário, um dos mais letais. Disse que as semanas anteriores foram “uma montanha-russa”em sua vida. E compartilhou detalhes sobre o tratamento, que a tirou do ar nas últimas quatro semanas: 

“Fiz uma grande cirurgia para removê-lo agora estou passando por vários meses de quimioterapia para o melhor prognóstico possível a longo prazo, e estou confiante”. 

A jornalista apontou que o câncer de ovário é muito comum, afetando “milhões de mulheres em todo o mundo”. E disse que a decisão de revelar a doença publicamente era motivada pela transparência mas também pelo desejo de alertar para a importância do diganóstico precoce: 

“Quero encorajar as mulheres a se educarem sobre esta doença; a realizar todos os exames e varreduras regulares que puderem; a sempre ouvir seus corpos; e a garantir que suas preocupações médicas legítimas não sejam ignoradas ou diminuídas.”

Christiane Amanpour encerrou a fala dizendo: “estas foram as minhas notícias, agora vamos às notícias”, demonstrando confiança. 

Leia também: Bateu, Levou: Controvérsias com Harry e Meghan na mídia fazem Rainha Elizabeth mudar protocolo e instruir Palácio a responder a ataques e inverdades

O vídeo no Twitter com o clipe da revelação já teve mais de 2,5 milhões de visualizações e mais de 8 mil retuítes. Nos milhares de comentários, o apoio de  políticos, jornalistas e artistas, a solidariedade de pessoas que viveram ou vivem a mesma experiência e o elogio de profissionais de saúde pela iniciativa de tornar o câncer público e a ajudar a quebrar o estigma. 

Bianna Golodryga, analista sênior de assuntos globais da CNN, que ficou no lugar de Amanpour enquanto ela se tratava, foi ao Twitter manifestar apoio à colega, falando de sua coragem. 

Christiane Amanpour já entraria de férias no final de junho, mas até lá continuará apresentando o programa de segunda a quarta-feira. Outro que se manifestou foi o presidente da CNN, Jeff Zucker, que já passou pela experiência de um câncer. 

“Quero aplaudir Christiane Amanpour por sua franqueza, bravura e sempre trabalhando para o bem maior”, disse ele em um comunicado. “Como sobrevivente do câncer, também encorajo as pessoas a ouvirem seus corpos e obterem todos os exames iniciais de câncer disponíveis. De nossa família CNN, desejamos o melhor e uma recuperação completa e rápida.”

Jornalista americano que se masturbou em reunião via Zoom volta ao ar na CNN

Os 10 jornalistas internacionais que merecem ser seguidos