Em um ano marcado por perseguições e prisões de jornalistas na Rússia, além da recente expulsão de uma correspondente estrangeira da BBC de Moscou, os principais veículos da imprensa independente do país publicaram na sexta-feira (27/8) um manifesto onde pedem o fim da política de corrosão da imprensa livre do governo Putin.

A Rússia tem desde 2017 uma lei que permite rotular publicações e jornalistas como agentes estrangeiros, e também obriga a imprensa independente a revelar em suas reportagens os financiadores do veículo. 

Leia também: Rede de sites investigativos na Rússia expõe Putin e jornalistas são detidos

Diversas publicações fecharam com a fuga de investidores, temerosos pela exposição, e jornalistas foram tachados como inimigos do Estado, tendo que sair da Rússia sob pena de acabar na prisão. 

Além do estrangulamento político e financeiro, os veículos de imprensa denunciam ainda espancamentos e detenções de jornalistas em comícios e manifestações públicas. “Insistimos na revisão de casos criminais e administrativos contra jornalistas e na investigação de casos de espancamento”, afirma o manifesto.

Maior site da Rússia perde R$ 12,2 milhões por mês com pressão do governo

Meduza, a mídia online mais popular da Rússia, corre riscos. Com sede em Riga, capital da vizinha Letônia, ela foi apontada como “agente estrangeiro”. A CEO da publicação, Galina Timchenko, nega rumores de que a empresa esteja fechando. 

Portal Meduza, site de notícias mais popular da Rússia. (Reprodução)

O site estaria perdendo cerca de € 2 milhões (R$ 12,2 milhões) por mês com a fuga de investidores, e já pratica cortes de até 50% nos salários e interrompeu a contratação de freelancers.

Entre diversos exemplos, o texto conta o caso da Rádio Liberty, que foi multada em 230 milhões de rublos (R$ 16 milhões) em abril deste ano por não exibir os financiadores, o que acabou levando jornalistas da equipe a sair do país.

Em 14 de maio, a organização Stichting 2 Oktober, que administra a publicação VTimes entrou no cadastro de agentes estrangeiros da mídia, e em 12 de junho foi forçada a fechar, afirma o manifesto da imprensa russa.

Jornalistas independentes foram detidos após publicar reportagens sobre corrupção

O caso do coletivo de jornalismo independente Proekt também é lembrado. O site, que publicou reportagens sobre corrupção no alto escalão do governo Putin, trabalha no formato “guerrilha”, sem endereço fixo ou patrocinadores oficiais, para fugir do controle russo. O editor-chefe e repórteres tiveram endereços vasculhados e também entraram para a lista de agentes estrangeiros, na visão estatal.

“Tudo isso tem como pano de fundo espancamentos de jornalistas em comícios, tentativas de equipará-los aos manifestantes e a repetida prorrogação da prisão do ex-correspondente do Kommersant Ivan Safronov em caso de traição — ele foi levado sob custódia em 7 de julho de 2020 e ainda não há nenhuma evidência de sua culpa apresentada”, destaca o documento.

Leia também: Guerra diplomática entre Rússia e Reino Unido faz repórter da BBC ser expulsa de Moscou

Na semana passada, a correspondente da BBC em Moscou, publicou em seu perfil de Twitter uma mensagem sobre estar “preparando as malas” para deixar a Rússia. 

O caso dela foi noticiado pela empresa, pois seu visto de permanência teve renovação negada numa explícita retaliação do governo russo a vetos britânicos a veículos da Rússia ligados à disseminação de desinformação.

“Novo Muro de Berlim”

O modus operandi russo não difere muito do praticado em Belarus, onde o governo Lukashenko também é acusado de prender e espancar jornalistas sem acusação ou crime comprovado, com relatos de violência recém-relatados pela organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

Em junho, a RSF publicou o fechamento do VTimes. “O risco de processos criminais era muito grande, tanto para a administração quanto para os jornalistas”, disse o cofundador e jornalista do VTimes, Aleksandr Gubski, à organização.

Leia também: Em meio a protestos nas ruas, Polônia aprova lei para calar principal TV do país

De acordo com Gubski, a localização do administrador do site na Holanda foi o motivo para sua inclusão no registro de “indesejáveis” do governo russo.

“Um novo Muro de Berlim está sendo construído”, afirmou a CEO do Meduza em entrevista ao centro de pesquisa Wilson Center, que tem sede nos Estados Unidos.

Leia também

Trump, Putin, Bolsonaro e Modi: líderes mundiais avançam em conjunto contra as redes sociais

Bolsonaro entra para lista dos predadores mundiais da liberdade de imprensa, da RSF