Londres – Um dos principais pontos turísticos da capital britânica, a Torre de Londres transformou-se na noite desta quinta-feira em um grande telão onde foram projetadas imagens dos protestos pelo desaparecimento do jornalista britânico Dom Philips e do indigenista brasileiro Bruno Pereira na Amazônia. 

A iniciativa foi da empresa Projections On Walls, especializada em projeções em grandes eventos. 

No quinto dia após o desaparecimento dos dois, crescem no Reino Unido as pressões sobre o governo brasileiro, acusado de lentidão nas buscas. Nesta quinta-feira (9), o Greenpeace UK organizou uma vigília diante da Embaixada do Brasil em Londres, com a presença da irmã de Philips. 

Lentidão nas buscas 

Dom Phillips e Bruno Araújo Pereira, um ex-funcionário da Funai, foram vistos pela última vez na região do Vale do Javari, no Amazonas, na manhã de domingo (5). O desaparecimento foi comunicado no dia seguinte pela União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja).

O brasileiro acompanhou o jornalista em uma incursão na Amazônia para que ele fizesse entrevistas com indígenas como parte da pesquisa de um livro. Após dois dias em campo, os homens deveriam retornar à cidade Atalaia do Norte no domingo de manhã, mas não foram mais vistos.

Na mensagem que acompanha o vídeo da projeção postado nas redes sociais, a Projections On Walls segue o discurso de entidades e figuras conhecidas da sociedade, que reclamam da resposta do governo de Jair Bolsonaro ao desaparecimento. 

A mensagem projetada na Torre de Londres lembra que eles foram ameaçados antes de desaparecerem por causa de seu trabalho.

E acusa o presidente Bolsonaro de ter “abandonado a Amazônia nas mãos de criminosos”, afirmando que o o líder do país não está fazendo nada para encontrar o jornalista  britânico e o indigenista brasileiro. 

O texto é exibido em inglês e em espanhol, e está sendo compartilhado nas redes sociais. 

Na quinta-feira, o jornal The Guardian, para o qual o jornalista britânico Dom Philips colabora, afirmou em um editorial que o Brasil é um dos países mais perigosos do mundo para os defensores do meio ambiente e outros associados às comunidades indígenas.. E responsabilizou o governo pela situação: 

 “Infelizmente, o presidente, Jair Bolsonaro, tem demonstrado pouco interesse em uma resposta adequada.”

Pelé e Caetano Veloso nas redes por jornalista e indigenista

Duas manifestações de brasileiros sobre o caso também estão sendo compartilhadas nas redes sociais no Reino Unido, país natal do jornalista Dom Philips. 

Uma é de Pelé, que compartilhou o depoimento da mulher do jornalista britânico, Alessandra Sampaio, com uma mensagem em que se diz comovido, juntando-se às vozes que apelam pela intensificação das buscas. 

Outra é a do cantor Caetano Veloso, que durante um show no Rio de Janeiro igualmente cobrou que as buscas por Dom Philips e Bruno Pereira sejam intensificadas. 

Ato por jornalista britânico e indigenista brasileiro na Embaixada 

A vigília realizada na quinta-feira diante da Embaixada do Brasil em Londres foi destaque na TV e em vários jornais britânicos. O engajamento de Pelé foi destacado em algumas matérias.

A manifestação pelo jornalista britânico e pelo indigenista brasileiro desaparecidos na Amazônia começou por volta das 8h em Londres. Os participantes exibiam cartazes com as fotos de  Dom Phillips e Bruno Araujo Pereira.

Jornalista britânico Amazônia Dom Philips Bruno Silveira Bolsonaro
Imagem: Twitter campanha

A irmã de Philips, Sian disse: 

“Ele é um homem atencioso, cheio de compaixão, um cara legal e nós o amamos de todo o coração”.

Uma carta ao embaixador brasileiro foi entregue por um representante do Greenpeace UK, que organizou o ato, pedindo que as buscas sejam aceleradas.

Leia mais  

‘Brasil é perigoso para defensores do meio ambiente’, diz The Guardian após sumiço de jornalista